Home Mídia Corporativa positivo e Mcro:bit Foundation chancelados pelo MCTIC

positivo e Mcro:bit Foundation chancelados pelo MCTIC

por Paulo Fernandes Maciel
Micro:bit

A Micro:bit Foundation e Positivo Tecnologia.

 Micro:bit
Colocam Brasil na rota do estado da arte em inovação educacional com chancela do MCTIC
 A aliança com a área de inovação educacional da Positivo prevê intercâmbio de tecnologias; A Positivo irá localizar o micro:bit e, ao mesmo tempo, contribuir para a evolução da plataforma criada pela BBC para despertar o interesse pela programação, estimular a criatividade e a cultura maker e desenvolver uma nova geração de pioneiros tecnológicos;
 Acordo é para toda a América Latina e, no Brasil, é apoiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, MCTIC
 Lançamento oficial foi dia 24 de outubro, no estande do MCTIC, durante a SNCT-Brasília

 

A Micro:bit Foundation, entidade sem fins lucrativos com sede na Inglaterra, e a Positivo Tecnologia;

Por meio de sua área de inovação educacional acabam de anunciar uma aliança estratégica que levará aos alunos brasileiros e de outros países da América Latina;

O micro:bit, uma plataforma baseada em um pequeno computador programável que desperta o interesse por:

Tecnologia, invenção e empreendedorismo, inspira a cultura maker e ajuda a formar uma nova geração de inovadores em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

O acordo de cooperação tecnológica e pedagógica coloca o Brasil em outro patamar no quesito inovação educacional;

E tem o apoio da Secretaria de Políticas de Informática (Sepin) do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Ele prevê a introdução da plataforma micro:bit no Brasil e a participação da Positivo em seu desenvolvimento, aperfeiçoando-a e adaptando-a para uso no país e, sucessivamente, em outros países da América Latina.

 

É um projeto de cooperação

“Essa é a primeira vez que um país será parceiro de desenvolvimento de tecnologia do micro:bit.

Ou seja, não se trata apenas de um acordo comercial e, sim, de um projeto de cooperação internacional;

Que conta com a chancela do governo federal, por meio do MCTIC”, reforça Roger Finger, head de Inovação da Positivo Tecnologia.

Ele explica que o micro:bit foi criado pela BBC (rede pública de rádio e TV do Reino Unido), em colaboração com 31 parceiros, entre eles ARM e Microsoft.

“Hoje, a plataforma já está sendo implementada em vários países, mas seu aprimoramento, adaptação para a realidade de um país e desenvolvimento de novos programas é um projeto inédito”.

A expectativa de sucesso, no entanto, é a mesma.

A placa programável que cabe no bolso começou a ser distribuída gratuitamente em 2016 a cada aluno do sétimo ano;

Das escolas na Inglaterra e em Gales, e para estudantes na Irlanda do Norte e na Escócia de turmas equivalentes;

(A partir de 11 anos de idade, início do ensino médio), e hoje já é usada por um milhão de alunos, com programas educacionais desenvolvidos pela BBC e resultados comprovados: pesquisas realizadas junto a estudantes e professores revelam que o projeto teve um impacto forte e muito positivo, com 90% dos estudantes afirmando que o BBC micro:bit ajudou a mostrar que qualquer pessoa pode programar.

Diante do sucesso da iniciativa, foi criada a Micro:bit Educational Foundation e a plataforma começou a ser implementada em outros países.

Hoje, há projetos em andamento em 40 países, como Finlândia, Irlanda, Noruega e Holanda;

E a Positivo Tecnologia foi o parceiro escolhido pela Micro:bit Foundation para o Brasil e a América Latina.

 

O início

“Tudo começou como o mais ambicioso projeto de educação da BBC em 30 anos, e agora estamos muito empolgados em ter um papel de liderança na nova fronteira em tecnologia educacional e levar a plataforma micro:bit para o mundo todo. Temos uma boa cobertura para isso na Europa e na Ásia, com fábricas na Inglaterra e na China, mas precisávamos de um bom parceiro para entrar no Brasil e na América Latina, e escolhemos a Positivo Tecnologia por ser uma empresa de tecnologia e de educação, com conhecimento para contribuir tecnicamente e pedagogicamente com o micro:bit e fazer as adaptações necessárias para implementação nas escolas brasileiras e de outros países da região”;

Diz Zach Shelby, CEO da Micro:bit Foundation.

Quanto ao apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações à aliança da área de inovação educacional da Positivo Tecnologia com a Micro:bit Foundation se explica:

“Queremos preparar o aluno para a vida fora da escola, para ajudá-lo a criar, a empreender, a pesquisar, inventar, a fazer escolhas profissionais nas área de tecnologia, empreendedorismo e inovação.

A plataforma micro:bit, adaptada ao contexto das escolas brasileiras, é uma iniciativa que se encaixa nesse propósito.

Assim, o projeto é apoiado pelo uso de recursos de P&D da Lei de Informática”;

Diz Thiago Camargo, Secretário de Política de Informática do MCTIC.

A Telebrás

O discurso é reforçado pelo atual presidente da Telebras, Maximiliano Martinhão, que apoiou pessoalmente o início do projeto:

“A educação para o mundo digital é condição necessária para que nossas crianças estejam preparadas para o século XXI.

O micro:bit permitirá que toda uma geração de crianças tenha seu primeiro contato com o desenvolvimento para dispositivos embarcados.”

“Estamos muito entusiasmados em participar de um grupo seleto de inovadores e líderes em tecnologia de ponta para educação, e orgulhosos pela confiança da Micro:bit Foundation e do MCTIC, que nos validou como parceiro para trazer o micro:bit ao Brasil e posteriormente, levá-lo a outros países da América Latina.

Isso confirma nossa competência e prática em inovação em tecnologia e educação”, comemora o head de Inovação da Positivo Tecnologia.

 

Empenho da parceria

 

A Positivo Tecnologia e o MCTIC já estão empenhadas para que o micro:bit vire uma realidade no país.

Neste semestre, a área de inovação educacional da Positivo está trabalhando em projetos-piloto que serão implementados em três escolas;

Que ainda estão sendo definidas, para alunos da mesma faixa etária do projeto do Reino Unido;

Crianças a partir de 11 anos.

O investimento inicial é de cerca de R$ 1 milhão e faz parte dos recursos destinados à pesquisa & desenvolvimento (P&D).

A Positivo Tecnologia vai localizar programas desenvolvidos pela BBC, desenvolver novos programas e também criar kits;

De acessórios e módulos periféricos para expandir ainda mais as funções e ligações do micro:bit com o currículo escolar.

Resultados positivos no Reino Unido

O micro:bit chega ao Brasil embalado pelo grande sucesso de sua implementação no Reino Unido.

A BBC divulgou recentemente os resultados de pesquisas realizadas com estudantes e educadores, que revelam que, além dos 90% dos estudantes que afirmam que o micro:bit mostrou que qualquer pessoa pode programar, 88% descobriu que programação não é tão difícil como pensava, e 45% dos alunos disseram que considerariam TIC e ciência da computação como uma opção no futuro (antes do projeto, esse índice era de 36%).

Entre as garotas, o impacto foi ainda mais expressivo:

De 23% antes do micro:bit para 39% depois – um aumento de 70%.

Entre os professores, os resultados também são positivos:

75% dos educadores usaram ou têm intenção de usar o micro:bit, 85% concordam que o projeto fez com que as disciplinas de TIC e ciências da computação se tornassem mais agradáveis para seus alunos e 80% que ajudou os jovens a perceberem que programação é menos difícil do que parece.

Além disso, metade dos educadores que usaram o micro.bit dizem que se sentem mais confiantes como professores;

Em particular aqueles que dizem que não se sentiam tão seguros ao ensinar computação.

 

Resultados

Segundo Finger, esses resultados mostram que não se pode pensar em inovação e educação;

Sem inspirar a criatividade digital e estimular as habilidades de programação.

“Em alguns anos, uma nova geração chegará ao mercado de trabalho, e é um desafio para todos que trabalham com educação prepará-los para enfrentar as transformações geradas pela revolução da Internet das Coisas (IoT).

Estaremos cercados de dispositivos conectados à internet e será preciso entender e conviver com essa interligação.

Aprender a programar e trabalhar com o micro:bit desde os primeiros anos escolares;

É um passo fundamental para o sucesso profissional nesse amanhã digital”;

Completa o head de inovação da Positivo Tecnologia.

 

Lançamento oficial na SNCT – Brasília

O anúncio oficial da parceria aconteceu dia 24 de outubro, no estande do MCTIC na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), com a presença de Maximiliano Martinhão, presidente da Telebras, Otávio Caixeta, Diretor na Secretaria de Informática do MCTIC (representando o Secretário de Informática do MCTIC, Thiago Camargo Lopes), Kavita Kapoor, COO da Micro:bit Foundation, José Scodiero, head da Micro: Bit para América Latina, e Alvaro Cruz, Vice-presidente de Inovação Educacional da Positivo Tecnologia.

O micro:bit e suas aplicações podem ser conhecidos durante toda a SNCT, que acontece de 23 a 29 de outubro;

No Pavilhão de Exposições no Parque da Cidade de Brasília.

Realizada nacionalmente desde 2004, sempre no mês de outubro;

A SNCT é coordenada pelo MCTIC e conta com a colaboração de empresas e órgãos públicos;

Escolas, fundações de apoio, institutos de pesquisa, museus, universidades e secretarias estaduais e municipais.

A proposta é que os eventos apresentem linguagem acessível;

Por meios inovadores que estimulem a curiosidade e motivem o público a aprofundar seu interesse.

O tema desta 14ª edição é “A matemática está em tudo”.
SOBRE A POSITIVO TECNOLOGIA:

Criada há mais de vinte anos, a área de Inovação Educacional da Positivo Tecnologia oferece soluções;

Que enriquecem o processo de ensino-aprendizagem;

E transformam a sala de aula em um ambiente estimulante e desafiador para os alunos.

Mais informações sobre a área em www.positivoteceduc.com.br

Você também pode gostar

Deixe um Comentário