Home Empreendedorismo Clientes de fintech usam nome social em cartões de crédito

Clientes de fintech usam nome social em cartões de crédito

por admin

Uma portaria do Banco Central (BC) publicada em 2017 permitiu que travestis e transexuais pudessem ter seu nome social, aquele que é escolhido de acordo com o gênero o qual se identificam, em cartões de contas bancárias, instrumentos de pagamentos, canais de relacionamento e correspondências de instituições financeiras. Três anos depois, esta mudança continua representando uma vitória pela liberdade e aceitação da diversidade no Brasil.

No pag!, uma das fintechs que mais cresce no Brasil, o cliente escolhe como deseja ser tratado. As exigências para cadastro com o nome social são as mesmas feitas para clientes que usam o mesmo nome de registro civil: uma foto do documento de identidade e uma selfie. A checagem é feita com base no CPF e nome da mãe que não mudam com o nome.

“Quando um cliente apresenta um documento de identificação ou cartão cujo nome não corresponde à sua apresentação, ele se torna mais vulnerável a experiências negativas. E nada mais justo evitar que isso aconteça. Para nós, é um orgulho enorme entregar o cartão com o nome social, também é nosso papel ser um instrumento de inclusão, mostrar que todos nós somos parte de uma mesma sociedade”, afirma o CEO do pag!, Felipe Félix.

Para os clientes, receber o cartão com o nome social vai além de um trâmite burocrático. Significa o fim de uma série de constrangimentos e traz satisfação pessoal, além da afirmação da identidade. “É uma realização, a cereja do bolo. Bolo, esse, que demora muito para ser feito, que carrega uma história árdua, de muita luta com processos burocráticos, preconceitos, dor e lágrimas. Para muita gente, pode ser apenas um simples cartão, mas para nós, mulheres trans, é o sonho da dignidade tornando-se realidade”, explica a Ingridy Fernanda, cliente pag!.

 

É possível alterar o nome no cartório

Em março de 2018, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a alteração não precisa de autorização judicial, laudo médico ou comprovação de cirurgia de redesignação sexual.

Ela também não é necessária para obter o documento com o nome social e, consequentemente, o cartão de crédito. No entanto, pessoas transexuais que desejam realizar o processo para alteração do registro civil em cartório podem procurar diretamente, sem a presença de advogado ou defensor público, qualquer cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais (RCPN) localizado no Brasil para fazer a mudança.

Website: http://meupag.com.br

Você também pode gostar

Deixe um Comentário