Home Apps Google Play em 2020 removeu 700 mil apps

Google Play em 2020 removeu 700 mil apps

por Paulo Fernandes Maciel

700 mil apps foram removidos pelo Google por violação de políticas da Google Play em 2020


A Empresa anunciou que, no mesmo período, encerrou as contas de 119 mil desenvolvedores mal-intencionados ou que praticavam spam na plataforma do Google Play em 2020

Oferecer uma experiência confiável e segura para bilhões de usuários e milhões de desenvolvedores Android sempre foi uma das principais prioridades da Google Play em 2020,. No ano em foco o Google apresentou novas políticas e melhorou ainda mais os sistemas avançados na otimização de processos; objetivando proteger usuários, dar suporte a bons desenvolvedores e reforçar proteções contra aplicativos e desenvolvedores mal-intencionados.

Leia também:

Mais de 300 apps são banidos pelas Google play e App Store

RV Digital bate recorde e é TOP 1 na venda de recargas para serviços do Google Play no Brasil

Atividades filtradas

• Foram removidos mais de 709 mil aplicativos por violação de políticas da Google Play em 2020
• Cerca de 119 mil contas de desenvolvedores mal-intencionados ou que praticavam spam foram excluídas no período
• Mais de 962 mil apps em desacordo com as regras da Google Play foram identificados; utilizando modelos de aprendizado de máquina e, assim, impedidos de compor a loja de apps do Google


A Google Play Protect escaneou mais de 100 bilhões de aplicativos em busca de malwares para aumentar a segurança das pessoas que frequentam a loja on-line em busca de ferramentas úteis e confiáveis para diversas finalidades, seja sobre informações a respeito da vacina de COVID-19 ou novas formas de entretenimento, delivery, comunicação e mais.
O Google adotou uma série de políticas e novas formas de suporte a desenvolvedores com o objetivo de aprimorar a qualidade das informações disponíveis na plataforma e reduzir o risco de prejudicar usuários com informações equivocadas ou enganosas.

Google Play em 2020

Políticas definidas


• Assuntos sobre COVID-19: Para garantir a segurança das pessoas e a integridade e privacidade das informações, a empresa apresentou orientações específicas para aplicativos relativos à COVID-19 . Essas políticas exigem que aplicativos relacionados a usos sensíveis, como apps com informações sobre testes, devem ser desenvolvidos por órgãos oficiais do governo ou por organizações do setor de saúde e devem atender aos mais altos padrões de privacidade sobre dados de usuários.


• Sobre notícias: Com o objetivo de assegurar a transparência sobre a publicação de notícias, foram adotadas exigências mínimas que devem ser cumpridas pelos aplicativos para que sejam classificados na categoria “Notícias” do Google Play. São regras que ajudam a promover maior transparência e responsabilidade entre os desenvolvedores ao fornecer informações relevantes sobre o app aos usuários.


• Apoio a eleições: Também foram formadas equipes e processos na Google Play dedicados a eleições. O objetivo é oferecer apoio adicional e facilitar a adaptação a um cenário em constante mudança. Isso inclui mais apoio a órgãos do governo, pessoas treinadas especialmente para avaliar os aplicativos e um grupo de segurança para enfrentar situações de ameaça e abuso ao sistema eleitoral.


Investigação


O trabalho para identificar e mitigar aplicativos e desenvolvedores mal-intencionados também evoluiu para combater novos comportamentos prejudiciais e formas de abuso. A capacidade de detecção dos modelos de aprendizado de máquina e os processos aprimorados de avaliação de aplicativos resultaram na identificação de mais de 962 mil apps que descumpriam as regras.
Graças a esse trabalho, esses aplicativos nem chegaram a ser publicados no Google Play. Ao todo, 119 mil contas de desenvolvedores mal-intencionados ou que praticam spam foram excluídas; e mais de 709 mil aplicativos foram retirados por violarem as políticas da plataforma.

Filtro


No ano passado, a empresa reduziu ainda mais o acesso de desenvolvedores a permissões sensíveis. Em fevereiro houve o anúncio de uma nova política de localização em segundo plano; no intuito de garantir que os aplicativos que solicitam essa permissão precisem justificar melhor o uso dos dados; para fornecer um benefício claro ao usuário.

Como resultado da nova política, os desenvolvedores agora precisam demonstrar esse benefício; e informar os usuários sobre ele de forma objetiva. Caso contrário, os apps podem ser removidos da Google Play.

A norma começou a valer para aplicativos que não atendem às novas diretrizes; e uma atualização sobre o uso dessa permissão será divulgada no Blog do Google, em breve.
Saiba mais no blog do Google Brasil .

Você também pode gostar

Deixe um Comentário