Home Noticias Eficiência Energética para um novo ciclo virtuoso

Eficiência Energética para um novo ciclo virtuoso

por Paulo Fernandes Maciel
Eficiência Energética

Eficiência Energética, essencial para uma economia moderna

Você já pensou quanto o Brasil poderia economizar em dinheiro e recursos naturais se adotasse a Eficiência Energética como prioridade em setores como iluminação pública ou indústria?

Um dos insumos que mais pesam no bolso das empresas, o custo de energia, pode ser reduzido drasticamente com estratégias eficientes e de eficiência energética
A energia é um recurso essencial para a evolução de qualquer empresa ou cidade;

Siemens eficiência energética

Mas a demanda crescente, os altos custos e a preocupação com a disponibilidade e sustentabilidade têm tornado
cada dia mais essencial a utilização estratégica desse recurso.

Siemens interliga digitalmente 19 centrais elétricas na China

Dificuldades na conscientização

Mesmo assim, a preocupação com eficiência energética ainda não é comum no país.

De acordo com o American Council for an Energy-Efficient Economy (ACEEE);

Órgão que avalia as políticas públicas e as práticas empresariais de gestão eficiente de energia das 23 maiores nações consumidoras;

O Brasil aparece na 22ª posição porque ainda não tem mão de obra qualificada e sofre com políticas públicas
escassas no tema.


Eficiência Energética, uma tendência global

Nos últimos 10 anos, o interesse das empresas em gastar menos energia tem aumentado e ações como a simples troca de lâmpadas por modelos mais econômicos e a mudança de turnos de trabalho para um melhor aproveitamento da eletricidade têm ganhado força.

Um indicador dessa tendência é a busca de cada vez mais empresas pela certificação ISO 50001, norma internacional de qualidade que estabelece parâmetros para a gestão de energia.

Na Alemanha, por exemplo, já existem 8.314 companhias certificadas.

Na China, líder entre os países emergentes, são 1.567.

O Brasil ainda aparece engatinhando no tema, com apenas 49 certificações.

Eficiência Energética


Consumo inteligente de energia

O conhecimento do seu próprio consumo de eletricidade é primordial para que uma empresa implemente ações de eficiência energética.

Com ajuda da tecnologia, já é possível acompanhar o uso de eletricidade em cada equipamento em tempo real, 24h por dia.

Com isso, é possível determinarem quais circunstâncias acontecem os picos de consumo e quais os equipamentos responsáveis.

A modernização dos equipamentos é outro fator essencial para um consumo eficiente.

Estima-se que, no Brasil, cerca de 10% dos motores industriais do país tenham mais de 40 anos de uso.

Incentivos e financiamentos


Grande parte dos projetos de eficiência energética têm sido impulsionados por ações voltadas para a
redução de emissões de gases de efeito estufa.

De acordo com dados do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (Cebds), que mostram que 1 340 projetos e cerca de 86 bilhões de dólares foram gastos nos últimos 3 anos na busca por fontes de energia de baixo
carbono entre empresas brasileiras.

Isso representa uma redução de 130 milhões de toneladas de carbono equivalente, ou 16% da meta nacional de corte de emissões até 2025.

O Banco Mundial estima que, com mais projetos voltados à eficiência energética.

O Brasil poderá deixar de emitir 12,5 milhões de toneladas de carbono equivalente, o que será essencial para cumprir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.

No Acordo de Paris contra as mudanças climáticas, o país se comprometeu a melhorar a eficiência do setor elétrico em 10% até 2030.

Lâmpadas penduradas eficiência energética


Impacto ambiental


A Confederação Nacional da Indústria (CNI), em parceria com os ministérios de Minas e Energia, de Indústria, Comércio Exterior e Serviço, a embaixada britânica no Brasil e a Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e Consumidores Livres (Abrace) busca melhorar a eficiência energética nas empresas com o Programa Aliança, que garante investimentos para aumentar a competitividade e a sustentabilidade da indústria brasileira.

Já o Banco Mundial, em parceria com a Caixa Econômica Federal, busca alavancar capital do setor privado para investimentos nas áreas de indústria e iluminação pública urbana com o Projeto de Instrumentos Financeiros para Cidades com Eficiência Energética do Brasil (FinBRAZEEC).

O programa inclui assistência técnica na área de preparação de projetos com apoio do Fundo Verde para o Clima, do Fundo Global de Infraestrutura e do Programa de Assistência para o Gerenciamento do Setor de Energia (ESMAP) do Banco Mundial.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário