Home / Atualidades / Microsoft Soundscape leva o mapa de áudio em 3D a pedestres

Microsoft Soundscape leva o mapa de áudio em 3D a pedestres

O som revelador: o aplicativo Soundscape leva o mapa de áudio em 3D aos pedestres, muito além daqueles com perda de visão

Soundscape

Fonte: Microsoft

Um novo “batimento cardíaco” em 3D tocando em fones de ouvido está proporcionando aos pedestres mais independência e confiança ao circular pelas cidades.

Com três anos de preparação, o aplicativo Soundscape da Microsoft vem conquistando fãs de lugares inesperados desde que foi lançado, em fevereiro.

A ideia surgiu de uma parceria com a Guide Dogs UK, direcionada a ajudar pessoas com perda de visão. As dicas de áudio guiam os usuários, fazendo com que pareça que uma batida constante está saindo de seu destino, passando pelos fones de ouvido, enquanto eles caminham, para ajudá-los a formar uma imagem mental do local.

 

Oferece mais independência do que os serviços de mapeamento turn-by-turn, como o GPS.

Dicas verbais podem ser ativadas para identificar lojas, restaurantes e outros pontos de referência ou explicar onde o usuário está e para qual direção ele está indo.

Agora, os desenvolvedores do aplicativo estão descobrindo que a filosofia do design inclusivo que os impulsionou está ampliando o apelo do Soundscape.

O programa WE Schools reuniu recentemente um grupo de alunos do ensino médio do Tennessee e a banda X Ambassadors, cujo tecladista é cego, para uma aula sobre inclusão e acessibilidade.

Os adolescentes levaram o aplicativo para uma caçada de áudio em Nashville com o objetivo de aprender mais sobre como poderiam ajudar deficientes visuais.

Depois que chegaram ao seu destino e aproveitaram um show da banda, estavam cheios de ideias para usar o Soundscape tanto para si mesmos como para seus amigos.

 

O projeto foi originalmente pensado para deficientes viswuais

 

“Embora o Soundscape tenha sido pensado para pessoas cegas, os estudantes não demoraram mais do que dois segundos para nos informar que pessoas com todos os tipos de habilidades e em diferentes contextos poderiam se beneficiar de uma experiência baseada em sons como essa, que não é intrusiva, mas natural e confortável.”

Disse Amos Miller, estrategista de produtos da Microsoft Research, que cocriou o Soundscape.

“Estamos na linha de partida com o Soundscape, explorando o uso do som como realidade aumentada, que é um conceito novo para muitas pessoas, e é incrível ver como isso é aplicável além da comunidade com deficiência visual.”

O sinalizador de áudio emite um “rat-a-TAT, tat-tat” baixo, que se move dentro dos fones de ouvido quando o usuário se aproxima ou se afasta do local indicado.

“Parece uma batida de coração”, disse Keishian Carrassquillo, uma dos 12 alunos da West Creek High School, em Clarksville, Tennessee, tendo uma aula sobre educação como profissão.

Mova-se diretamente para o destino, e a sugestão audível se torna mais evidente, com um tom mais agudo “ting, ting, ting”.

O áudio é alto o suficiente para competir com o barulho da rua – como a estrada de seis pistas ao lado do estacionamento onde as crianças começaram, e o canteiro de obras pelo qual passaram mais tarde –, mas discreto o suficiente para não interferir nas conversas.

O som foi projetado para ser harmonioso e transmitir uma sensação de movimento e fluidez, disse Jarnail Chudge, que criou o aplicativo com Miller.

Engenheiros trabalharam para equilibrar sinais verbais e não-textuais que não exigem uma enorme quantidade de esforço mental, disse.

O toque constante do sinal provou ser uma grande ajuda para Matthew Rife.

O adolescente disse que acha difícil prestar atenção às instruções quando há tantas distrações em uma cidade movimentada como Nashville, mas “ouvir a batida me ajudou a concentrar”.

Outros disseram que sugeririam o aplicativo para amigos e familiares com transtorno de estresse pós-traumático, transtorno do déficit de atenção e ansiedade, porque achavam que isso poderia aliviar a sobrecarga sensorial, além daqueles que são disléxicos ou acham difícil ler mapas.

As crianças até tinham ideias para colocar os sinais nos corredores da escola a fim de ajudar os novos alunos a se locomoverem mais facilmente.

A experiência ampliou sua compreensão dos desafios enfrentados pelas pessoas com deficiência – com o poder da mensagem.

O tecladista do X Ambassadors, Casey Harris, que nasceu com perda de visão e aprendeu a tocar piano de ouvido, contou a eles sobre sua infância e como ele vive sendo uma estrela do rock em turnê.

A banda exige que seus locais disponibilizem uma seção acessível para pessoas com deficiências, e o vídeo de seu hit “Renegades” apresenta pessoas cegas levantando peso e fazendo caminhada.

Soundscape 2

Alunos do West Creek High School, em Clarksville, Tennessee, estavam cheios de ideias sobre como usar o app Soundscape após sua busca de áudio em Nashville. Disseram que sugeririam o aplicativo a amigos e familiares que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático, de déficit de atenção e ansiedade, além dos disléxicos. Fonte: Microsoft

“Acessibilidade e inclusão realmente não são difíceis; é difícil apenas para as pessoas que não cresceram com isso”, disse Harris.

“Por isso é crucial que as crianças aprendam sobre essa questão nessa fase, se torna parte da vida. Não é uma consideração especial, é apenas outra consideração.”

O vocalista Sam Harris disse que assistir seu irmão usando o Soundscape era “como olhar para o futuro da acessibilidade.”

O Soundscape pode ser usado em segundo plano em conjunto com outros aplicativos, como um mapa que fornece instruções passo a passo, ou o aplicativo Seeing AI da Microsoft, que usa visão computacional para reconhecer texto – como em sinais – e falar as palavras em voz alta.

Não é para substituir outros dispositivos ou auxiliares de mobilidade, mas para complementá-los.

“Essa calçada é cheia de obstáculos, então você ainda precisa de uma bengala ou um cão-guia.”

Jamie Wright disse ao grupo, apontando para árvores, latas de lixo, buracos, postes e suportes de bicicleta do caminho.

Ela ajudou a conduzir a aula usando recursos gratuitos oferecidos pela WE Schools, um programa de serviço-aprendizagem que ajuda professores na América do Norte a envolver os estudantes em causas sociais.

O currículo “WE are One”, criado com a Microsoft, concentra-se na acessibilidade e, particularmente, no papel da tecnologia como força de inclusão.

Na caçada, Wright ajudou as crianças a se sentirem com os pés, escolhendo os solavancos amarelos nas calçadas para alertá-los dos cruzamentos, e para notar os sinais sonoros além do Soundscape, como um sinal sonoro de faixa de pedestres.

“O Soundscape nasceu de uma missão para descobrir como a tecnologia pode mudar significativamente a experiência de pessoas cegas”, especialmente porque 90% não usam a tecnologia como auxílio à mobilidade, disse Miller às crianças, com seu cão-guia, um labrador negro chamado Trevor, a seus pés. Miller cresceu em um kibbutz, em Israel, lentamente perdendo a visão para uma doença genética que o deixou cego quando ele terminou a universidade com um diploma de ciência da computação.

Soundscape_3

Amos Miller, com seu cão-guia, comparou os serviços de mapeamento turn-by-turn e o app Soundscape à diferença entre ter uma pessoa com visão agarrando seu braço para guiá-lo e outra com um cotovelo para ele tocar, permitindo ser guiado. (Foto: Emily Greene)

“Usamos cães-guia, bengalas brancas, guias de visão, localização de eco e habilidades que desenvolvemos, mas há um grande potencial para a tecnologia ter um impacto maior e atrair mais pessoas, com mais confiança, alegria e motivação como parte de suas vidas”, disse Miller.

Muitas pessoas com cegueira não saem de casa sozinhas, e a maioria das que se aventuram fora, com um cão-guia ou uma bengala, geralmente se limitam a quatro ou cinco rotas que memorizaram de cor.

O Soundscape tem como objetivo expandir esse universo e ajudar mais pessoas com perda de visão a explorar, além de enriquecer essas rotas regulares chamando empresas ao longo do caminho, permitindo que os usuários apareçam, por exemplo, em um café que talvez nunca estiveram.

“Essa opção, a capacidade de escolher o que você quer fazer, nunca existiu, então é incrivelmente empoderador”, disse Chudge.

“E esse é o ponto – não queremos dizer às pessoas aonde ir, mas sim capacitá-las, ajudando-as a entender onde algo está em relação a elas, para que possam decidir como chegar, de maneira mais natural, usando suas habilidades de mobilidade.

E, ao mesmo tempo, eles estão construindo um novo conjunto de habilidades para encontrar caminhos.”

Miller comparou a diferença entre ter uma pessoa com uma boa visão agarrando seu braço para guiá-lo e outra oferecendo um cotovelo para ele tocar e se permitir ser guiado.

“A noção de Soundscape é que você está no banco do motorista, e o cão ou bengala está ajudando você a evitar obstáculos, como faz melhor, mas você pode andar com a cabeça erguida, ciente do que está ao seu redor e estar no controle de sua experiência”, afirma Miller.

“E quando eu ando com minha esposa ou filho, seguro seu braço ou meu cachorro, mas com o Soundscape também tenho uma consciência mais ampla de onde é nosso destino e o que está ao redor e que estradas estamos atravessando, então sou um participante e não apenas um seguidor.”

“É uma nuance, mas a partir de um sentimento de independência, é uma diferença importante.”

Soundscape 5

Alunos do ensino médio de Clarksville assistem a um mini show do X Ambassadors, cujo tecladista é cego

Com o telefone preso, a função “Meu local” do aplicativo informa aos usuários onde eles estão, em que direção estão e quais pontos de interesse estão próximos.

O recurso “Ao meu redor” chama pontos de referência no sentido horário, para ajudar a construir um mapa mental do espaço.

O “À minha frente” faz o mesmo para o que está chegando no caminho.

O aplicativo também aponta a distância restante para o destino.

Mas os usuários podem manter o telefone no bolso e ser guiados pelo sinal de áudio e pelas chamadas automáticas, em vez de se curvarem sobre um mapa, disse Chudge.

“Dessa forma, nossas cabeças estão levantadas e não nos sentimos constrangidos ou que não pertencemos a ele”, conta.

“É uma experiência completamente diferente. Como uma pessoa com visão, isso é muito poderoso e libertador para uma pessoa que é cega.”

O aplicativo reflete a maneira como foi criado:

Miller e Chudge levaram sua equipe de desenvolvedores e engenheiros para longe das telas que estavam acostumados a encarar e, em vez disso, fizeram com que eles projetassem no campo.

Eles trabalharam extensivamente com pessoas com perda de visão e com pesquisadores que lidam com técnicas de áudio espacial para desenvolver o conceito de uso de som 3D.

Um resultado é que ele pode ser usado sem as mãos ou com apenas uma mão, deixando a outra disponível para segurar o cinto de um cão-guia, por exemplo.

Soundscape 6

“É uma experiência ao ar livre, então temos andado pelas ruas em todos os tipos de clima em todos os momentos, com um grupo diversificado de indivíduos, para chegar ao coração do que importa e pensar sobre quais são as necessidades não articuladas e como podemos conhecê-los para fazer uma diferença significativa”, disse Chudge.

O Soundscape também ajudou engenheiros de maneiras inesperadas.

“Isso nos permite colocar a realidade aumentada em situações da vida real, onde aumenta a experiência humana em vez de prejudicá-la, e estamos aprendendo com isso”, disse Miller.

“Esse é um dispositivo discreto que você já tem e está lá para apoiá-lo e não para interrompê-lo.”

Como a tecnologia está no começo, o Soundscape está recebendo atualizações regulares com base no feedbackdos usuários.

E essas reações – aliadas à colaboração de várias organizações sem fins lucrativos e empresas – estão dando aos desenvolvedores uma visão de como o aplicativo pode evoluir e quais experiências podem ser incorporadas.

“Criar essa ampliação digital através do som é algo sobre o qual falamos há um ano, e como indústria, acho que todo mundo está lutando um pouco para confiná-lo a um espaço muito estreito”, disse Chudge. “Mas o que estamos vendo é que o Soundscape está conectando os usuários ao ambiente deles de uma forma mais profunda, mais significativa e mais intuitiva, trabalhando no aprimoramento da percepção humana.

Isso está nos ajudando a crescer como pessoas e ampliando nossos horizontes.”

Foto do topo: Alunos do Tennessee contemplam obstáculos nas calçadas enquanto usam o aplicativo Soundscape numa caçada de áudio em Nashville. (Fotos: Lindsey Grace).

About Carlos Augusto Queiroz

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*