Home Ecoverde IoT ajudando construir um futuro mais verde

IoT ajudando construir um futuro mais verde

por Paulo Fernandes Maciel

A Tecnologia IoT ajudando na construção de um futuro mais verde

Nosso uso de tecnologia tem causado poluição e outros danos ambientais. É justo que usemos a tecnologia para resolver os problemas resultantes. As redes IoT ajudando e nos permitindo monitorar e combater a poluição energética à medida que as mudanças climáticas se aceleram.

IoT

IoT significa Internet das Coisas e se refere a qualquer dispositivo que esteja conectado à internet; desde uma luz ativada por Bluetooth até uma geladeira inteligente.

Como os sensores de IoT podem nos ajudar a combater a poluição

O desafio da poluição não é exclusivamente industrial.

Estima-se que a má qualidade do ar custa à economia global US $ 225 bilhões anuais em renda de trabalho perdida, de acordo com o Banco Mundial. Com as áreas urbanas globais definidas para se expandir em pelo menos 2,5 bilhões de pessoas antes de 2050, a questão da poluição do ar só vai se intensificar.

Veículos dedicados colhendo e fornecendo dados

Um projeto anunciado em julho de 2018 pode fornecer uma solução. Sensores de poluição fixos e móveis estão sendo implantados nas ruas de Londres. 100 sensores fixos foram colocados nas áreas mais afetadas e locais sensíveis. Dois carros dedicados do Google Street View percorrem a cidade, fornecendo dados em tempo real sobre a poluição do ar em movimento. Os dois carros do Google Street View farão leituras da qualidade do ar a cada 30 metros com o objetivo de sinalizar “pontos críticos” de poluição, analisando tendências ao longo de um ano de dados. Mapas online mostrando os dados em tempo real darão aos londrinos informações sobre os níveis de poluição em um nível granular, permitindo que as pessoas planejem de acordo.

Usando IoT ajudando a monitorar os níveis de metano

Esforços significativos estão em andamento para alavancar a tecnologia e resolver o vazamento de oleodutos e gasodutos. O metano, em particular, não é apenas estimado como sendo o segundo maior contribuinte para o aquecimento global depois do dióxido de carbono (C02); também é um componente importante das emissões industriais. Na verdade, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) estimou que mais de nove milhões de toneladas métricas de metano vazaram dos sistemas de gás natural somente em 2014.

Convertido em equivalente de CO2 em 100 anos, isso representa mais gases do efeito estufa do que o emitido por todo o ferro dos Estados Unidos, instalações de fabricação de aço, cimento e alumínio combinadas.

No entanto, equipes de pesquisadores estão trabalhando para criar um sistema de monitoramento de metano inteligente para fornecer um sistema de alerta precoce para vazamentos. Um projeto, envolvendo a IBM e a produtora americana de gás natural Southwestern Energy, está usando fotônica de silício para transferir dados na velocidade da luz. Incorporados na infraestrutura, os chips formariam uma rede de sensores que poderiam ser combinados com sensores de pressão ambiental em tempo real, clima e dados de satélite para monitorar grandes áreas e rastrear poluentes, minimizando imediatamente os tempos de resposta e, portanto, os danos ambientais.

Outro teste de campo foi executado pela Statoil em 2017; que viu a implantação de sensores contínuos de detecção de metano movidos a energia solar em suas instalações de produção em Eagle Ford, Texas. Os sistemas de sensores baseados em laser são projetados para serem principalmente autoalimentados, requerem pouca manutenção e duram mais de cinco anos.

Um perigo chamado hacker

Com todos estes sensores inteligentes e aparelhos interconectados, surge um novo desafio para ser superado que é garantir a proteção virtual dos dispositivos IoT. Se um hacker conseguir ter acesso a um dispositivo, consequentemente ele terá acesso a todo os outros dispositivos daquela rede. Por isso que toda a rede deve passar por uma VPN (Rede Privada Virtual) de modo a garantir uma extensa criptografia de dados.

A VPN age como um túnel de proteção aplicado na internet, ocultando e codificando todos os dados que transitam de um dispositivo até outro e vice-versa.

Resumindo, o impacto ambiental das redes IoT; com seus sensores embutidos e tomada de decisões de IA baseada em nuvem; o que já está começando a ter um impacto na vida cotidiana e no ambiente em que todos nós coexistimos.

O futuro reserva muito mais para este ecosistema digital e seus dispositivos inteligentes.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário