Home Noticias Como uma mãe da Microsoft inspirou empresas de saúde a abraçar o potencial da IA para salvar vidas

Como uma mãe da Microsoft inspirou empresas de saúde a abraçar o potencial da IA para salvar vidas

por SimbiekJP

Melissa Mulholland não fazia ideia de que o bebê que ela estava carregando poderia não sobreviver. Se ela não tivesse ido a uma clínica de alto risco para um ultrassom, e se esse ultrassom não tivesse sido revisado por um médico com experiência em uma determinada área de cuidados fetais, o resultado poderia ter sido muito diferente.

O ultrassom mostrou uma anormalidade fetal chamada válvulas uretrais posteriores (PUV), um problema congênito que às vezes é esquecido nas revisões do ultrassom, a menos que os médicos sejam treinados para procurá-lo, o que geralmente não acontece. O PUV, que afeta 1 em 8.000 homens, significa que tecido extra obstrui a bexiga do bebê, causando um fluxo reverso de urina que pode danificar outros órgãos e pode ser fatal.

Às 16 semanas, Mulholland, diretora de estratégia de negócios da One Commercial Partner (OCP), que ajuda a viabilizar o sucesso dos parceiros da Microsoft em todo o mundo, passou por um procedimento arriscado. Os médicos inseriram um cateter no útero para desviar a urina do bebê, e as chances de sucesso não eram garantidas.

“Quando recebi essa notícia horrível de que meu filho provavelmente não conseguiria, e que teríamos que terminar mais cedo – você pode imaginar como eu e meu marido ficamos arrasados”, diz ela. “E conscientemente tomei a decisão de que, psicologicamente, tenho que fazer o que puder para saber que tentei de tudo para salvar a vida dessa criança. E tivemos a sorte de tudo funcionar”.

Por meio do trabalho com parceiros da Microsoft para ajudá-los a criar suas experiências na nuvem, ela se perguntou como algumas das empresas que usam nuvem e IA poderiam para ajudar na resolução de alguns dos muitos problemas de saúde existentes. E isso levando em conta os rápidos avanços da inteligência artificial (IA).

Ela fez uma promessa ao filho, Conor – e a si mesma – de buscar esse tipo de mudança, compartilhando sua história com empresas interessadas em ouvi-la.

A Crayon, uma companhia norueguesa, era uma delas. Ela começou como uma empresa de software orientado aos negócios, cresceu ao criar ofertas de serviços projetadas para orientar os clientes de ponta a ponta no uso da nuvem e, há cinco anos, embarcou em sua própria jornada de IA.

“A experiência pessoal de Melissa nos levou a olhar para todos os aspectos de cuidados em saúde no campo de IA. Ela estava cheia de entusiasmo e boas idéias ”, diz Rune Syversen, co-fundador da Crayon.

“Melissa nos perguntou sobre as formas pelas quais a IA nos levar à próxima fronteira quando se trata de serviços de saúde? E isso nos fez pensar mais sobre problemas de saúde ou casos em que poderíamos nos envolver”.

Desde então, a Crayon começou a usar IA e aprendizado de máquina em vários esforços de saúde. Entre eles: trabalhando com o hospital nacional da Noruega, o Oslo University Hospital, para ajudar a aumentar a experiência dos médicos na triagem do câncer de cólon, usando imagens avançadas para detectar pólipos assintomáticos com possível câncer invasivo, com objetivo de acelerar o processo de tratamento. Com base no Azure Kinect, eles desenvolveram uma maneira de enfermeiros monitorarem os movimentos de pacientes hospitalizados na cama. Se um paciente estiver prestes a cair, a equipe pode chegar antes que algo grave aconteça. Além disso, eles usam a IA para aprender mais sobre eventos de parada cardíaca causados por um sintoma conhecido como cardiomiopatia hipertrófica, ou uma parede cardíaca espessada.

“Estou muito orgulhoso do que nossa equipe conseguiu realizar em tão pouco tempo e de como conseguimos ajudar médicos e enfermeiros potencialmente a salvar vidas”, diz Syversen.

Por seu trabalho, no ano passado, a Crayon foi nomeada Microsoft global AI and Machine Learning Partner of the Year.

Outro parceiro da Microsoft, InterKnowlogy, também foi tocado pela história de Mulholland.

Tim Huckaby, fundador e presidente da empresa de Carlsbad, Califórnia, conheceu Mulholland pela primeira vez por e-mail quando os dois estavam trabalhando juntos em um projeto para um dos clientes de Mulholland. A InterKnowlogy normalmente cria software corporativo para outras empresas, incluindo muitas que usam IA e visão computacional.

Quando Mulholland descobriu que a IA desempenhou um papel importante no trabalho da empresa, ela contou a Huckaby sobre Conor e suas frustrações por não haver uma maneira mais fácil de diagnosticar o PUV. “Começamos a conversar em um nível pessoal. Nós nos conectamos imediatamente porque eu tenho um irmão gravemente incapacitado e nos tornamos amigos”, diz Huckaby.

Ele decidiu ver se poderia “criar um protótipo rápido” para reconhecer o PUV em imagens de ultra-som usando o Azure Custom Vision, que é uma API (interface de programação de aplicativos) de IA para visão por computador para detectar e reconhecer objetos. Huckaby pediu a Mulholland que lhe enviasse o ultrassom de Conor. Em seguida, ele pesquisou na Internet fotos disponíveis publicamente de ultrassons normais, bem como ultrassons que mostravam PUV.

“A questão era que, se um médico fosse treinado para ver o PUV, ele detectava o problema todas as vezes. Mas se não for o caso, pode passar desapercebido. Minha hipótese era que, se eu treinasse o modelo de aprendizado de máquina corretamente, os computadores reconheceriam o padrão 100% das vezes”.

Ele começou a trabalhar no protótipo às 15h. “Veja, já estou além dos meus anos de programação; Agora estou por cima”, brinca. “Mas foi um daqueles raros momentos em que descobri algumas tecnologias e não iria desistir até compreender tudo”.

E ele conseguiu, 12 horas depois. “Então, enviei um e-mail para Melissa às 3h da manhã e disse: ‘Eu descobri, é incrível, você precisa ver isso’”.

Ela fez, no dia seguinte, por uma apresentação virtual e ficou emocionada. Os dois compartilharam sua experiência em 2017 na Microsoft Inspire, a conferência anual para parceiros da Microsoft. Desde então, Huckaby adicionou IA e assistência médica ao repertório de aplicativos de sua empresa.

Sua esperança mais fervorosa, como a de Mullholland, é a de que uma empresa do ramo de medicina queira desenvolver uma linha completa de negócios voltados à detecção de PUV. “A InterKnowlogy cria software personalizado para empresas; normalmente não mantemos a propriedade intelectual (PI) do que desenvolvemos”, diz ele. “Eu adoraria entregar esse IP a uma empresa para executá-lo”.
Desde então, a InterKnowlogy vem trabalhando com uma grande organização de assistência médica em projetos de visão computacional para detectar câncer.

Conor, agora com 5 anos, já experimenta os benefícios da IA em sua vida. Após passar por 12 cirurgias aos 2 anos de idade para lidar com os efeitos causados pelo PUV, e questões relacionadas, ele foi diagnosticado com autismo aos 3 anos e teve dificuldade em falar. Ele trabalha com fonoaudiólogos e também se beneficia de um aplicativo chamado Helpicto, que usa IA para converter palavras faladas em uma série de imagens.

Criado pela empresa francesa Equadex, o aplicativo também veio do “coração” – vários funcionários da empresa têm experiências pessoais com autismo. A Equadex criou o Helpicto usando APIs do Microsoft Cognitive Services e a plataforma em nuvem do Microsoft Azure.

“É muito difícil ter um filho incapaz de falar ou se comunicar com você”, diz Mulholland. “Ele tinha 4 anos quando disse: ‘Mamãe’. Foi incrível ouvir isso”.

Conor também aprendeu a dizer “Dadá” e “Amma”, ou Emma, para sua irmã de 7 anos, que gosta muito dele.

“É muito bom ver como ela é atenciosa e o quanto ela quer que ele seja bem-sucedido”, diz Mulholland. “Ela o ajuda a praticar com as palavras. Eu posso vê-la em algum momento em um campo de estudo focado em ajudar os outros, seja como professor ou médico, ou algo nesse sentido. Sua vida mudou para sempre por ter um irmão como Conor”.

Mulholland diz que se sente grata por todo o apoio que teve – desde o marido, Kyle, um contador que fica em casa com Conor, até a Microsoft por lhe oferecer uma plataforma para contar sua história e as empresas que querem ouvir e se envolver com ela.

“Eu sempre incentivo as pessoas: ‘não se enganem, pensem em maneiras de aproveitar a tecnologia para obter um bem maior, pois, às vezes essas soluções estão bem na sua frente’”, diz ela. “E imagine o quão maravilhoso seria o mundo se tivéssemos mais histórias como essa.”

 

Fonte: https://news.microsoft.com/

Você também pode gostar

Deixe um Comentário