Home Noticias Como a tecnologia pode contribuir para aplicação de metodologias ativas de ensino

Como a tecnologia pode contribuir para aplicação de metodologias ativas de ensino

por SimbiekJP

O 2º Webinar do Prêmio Respostas para o Amanhã discutiu a digitalização de processos de aprendizagem e maneiras de causar maior engajamento dos alunos

 

Como qualquer setor da sociedade, a educação também está em constante transformação. E, de repente, alguns desses processos precisaram ser acelerados, principalmente o de digitalização do ensino. A tecnologia, então, surge como ferramenta natural de adaptação, mas precisa ser integrada a outros elementos essenciais: metodologias ativas e abordagem STEAM (sigla em inglês para a união de áreas educacionais composta por Ciências, Tecnologia, Engenharia, Artes e Matemática.

 

Criar métodos e trabalhar competências e habilidades que contemplem essas três frentes – tecnologia, metodologias ativas e abordagem STEAM – é algo desafiador e já mobilizava professores em todo o Brasil mesmo antes da suspensão das aulas presenciais pelo país. Mas com a obrigatoriedade do ensino remoto nos últimos meses, essa demanda se tornou mais urgente. Educadores precisaram aprender a lidar com recursos tecnológicos e buscam caminhos para aplicar as competências e habilidades de forma mais precisa e estimulante para os alunos.

 

“Esse desafio de engajar mais os estudantes já existia e se intensificou com a ampliação do cenário virtual da educação. O professor, mais do que nunca, ganha importante papel de facilitador de conteúdos e de estimulador de pensamento crítico para os alunos. Para isso, metodologias ativas e trabalhos por projetos podem ser bons indutores de engajamento, competências e habilidades”, aponta Isabel Costa, Gerente de Cidadania Corporativa da Samsung Brasil.

 

 

Na última sexta-feira (26), esse importante debate foi apresentado pelo 2º Webinar do Prêmio Respostas Para o Amanhã, iniciativa global da Samsung que está presente no Brasil desde 2014 e que mobiliza alunos e professores do Ensino Médio da rede pública. O conteúdo desse segundo painel está disponível no link: https://www.youtube.com/watch?v=OuWg5NUYJj0.

 

O webinar, com o tema “Metodologias ativas e o trabalho por projetos no Ensino Médio”, foi conduzido por Isabel Costa, representante da Samsung, e por Beatriz Cortese, Gerente de Construção de Tecnologias Educacionais do CENPEC (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária), parceiro do Prêmio Respostas para o Amanhã.

 

As mediadoras receberam como convidadas Lilian Bacich, que é coordenadora da pós-graduação em metodologias ativas no Instituto Singularidades, professora de extensão na PUC-SP e diretora da Tríade Educacional, e Débora Garofalo, gestora de tecnologias da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, colunista de Educação Inovadora no blog Redes, da Editora Moderna, e de Educação no UOL.

 

Assim como na primeira edição do webinar, professores puderam interagir e enviar perguntas no chat da transmissão ao vivo no canal do Respostas para o Amanhã no YouTube. A grande preocupação dos docentes está em como gerar engajamento dos alunos e ainda manter a troca de experiências mesmo com as aulas remotas.

 

“Essa educação com foco no digital chegou e pode ficar. Precisamos estar preparados e saber que isso abre caminhos para propostas que envolvem metodologias ativas. O aluno não pode ficar apenas na frente da tela recebendo informações. Ele precisa produzir, estando ou não conectado. Apenas transmitir informações não é suficiente. A tecnologia pode ajudar a gerar protagonismo e experiências de aprendizagem significativas para os alunos”, argumenta Lilian Bacich.

 

Embora não seja um processo simples, já que requer capacitação dos professores, há diversas maneiras de construir esse maior engajamento. A abordagem STEAM e outras metodologias ativas prezam por atividades mais interativas, que façam com que docentes e alunos coloquem a mão na massa e estejam mais integrados no dia a dia escolar, mesmo que à distância. Essas novas ideias passam por trabalhos, projetos ou formatos como a sala de aula invertida, quando o professor antecipa o conteúdo e permite que o aluno chegue à aula com dúvidas e argumentações.

 

“O professor deve colocar o estudante no centro do processo de aprendizagem. O fazer é um estímulo, bem como a busca por soluções próximas à realidade dos alunos. Metodologias ativas podem ajudar a combater o trabalho infantil, a evasão escolar e podem mobilizar jovens em prol de suas comunidades. O estudante passa a ser protagonista, autor da própria história e desenvolve competências socioemocionais. Professores e alunos precisam ser parceiros nesse processo, criar debates e se estimularem”, pondera Débora Garofalo.

 

Entre as dicas apresentadas sobre a aplicação de metodologias ativas estão a análise do contexto em que os estudantes estão inseridos, o tipo de conteúdo que deseja ser aplicado e a forma como cada conteúdo pode ser transmitido. Ou seja, é um processo de transformação geral, que vai mudar a rotina dos alunos e também dos professores.

 

“O conteúdo precisa vir depois. O foco deve estar nos processos de aprendizagem. E envolver a tecnologia é uma maneira de aproximar os docentes de uma linguagem mais jovem e de aprimorar competências digitais de ambas as partes. O professor também é um aprendente e está ao lado do aluno nessa busca por entender o que precisa ser aprendido”, conclui Beatriz Cortese.

 

A programação do Respostas para o Amanhã vai prosseguir com novos webinars no YouTube. E as inscrições para a sétima edição do Prêmio seguem abertas até agosto para os projetos de alunos e professores do Ensino Médio da rede pública Para mais informações, acesse o site https://respostasparaoamanha.com.br/ ou baixe o aplicativo do Respostas para o Amanhã na Play Store.

Fonte: https://news.samsung.com/

Você também pode gostar

Deixe um Comentário