Home Mídia Corporativa Corporate ventures investem em empresas sustentáveis que usam a tecnologia – e o espaço – a favor do desenvolvimento humano

Corporate ventures investem em empresas sustentáveis que usam a tecnologia – e o espaço – a favor do desenvolvimento humano

por admin

Inovação e a colaboração é o que move as Corporate Ventures. Segundo dados do estudo Unlocking Corporate Ventures Capital feito pela aceleradora e fundo de investimentos 500 Startups, um quarto de todo o investimento em negócios escaláveis, inovadores e tecnológicos vem de relações com grandes empresas, ou seja, das relações de Corporate Ventures. 

Nos últimos anos, é possível observar o crescente número de investimentos em startups que focam seus propósitos e iniciativas para contribuir, de alguma forma, com a sociedade e o futuro do planeta. Concentrando seu foco em áreas como saúde, qualidade de vida, sustentabilidade, desenvolvimento humano e ambiental.

Hypercubes, a empresa que une a tecnologia e o espaço para trazer novas perspectivas para a Terra

De encontro a essa tendência, a Hypercubes, fundada em 2015 pelo empreendedor brasileiro Fábio Teixeira,  é uma startup que promete transformar o modo como as pessoas enxergam a agricultura e contribuir para a manutenção e preservação do ciclo da vida terrestre. 

Por meio da tecnologia de nanosatélites, que têm o tamanho de uma caixa de sapato e captam imagens hiperespectrais da superfície da Terra, é possível identificar a falta de nutrientes e elementos químicos ou a presença de espécies invasoras e daninhas em determinado solo ou lavoura.

As informações processadas pelo satélite através de Machine Learning permitem que o produtor receba um alerta precocemente. Isso possibilita a tomada de providências imediatas para repor estes nutrientes e afastar as pragas, potencializando a produção de alimentos de uma forma totalmente sustentável e proporcionar um nível de eficiência às plantações jamais vista antes.

Toda a tecnologia utilizada no projeto promove a otimização da produção de alimentos. Tendo como base os dados da pesquisa realizada pelas Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), que prevê que em 2050 a população mundial será de 9,1 bilhões de pessoas e, para alimentar toda esta população, a Terra precisará aumentar a sua produção de alimentos em mais de 70%. Para este cenário futuro, Hypercubes se apresenta como um excelente caminho.

Corporate Ventures investem em iniciativas com propósito

Toda essa iniciativa atrai o investimento de Corporate Ventures que têm, em sua essência, propósitos semelhantes. Como é o caso da holding  2Future, do empresário brasileiro, Luís Felipe Neiva Silveira, “Me apaixonei pelo projeto [Hypercubes] na primeira vez que o vi. Isso foi em dezembro de 2016. Queria fazer parte desse sonho”, comenta. 

O empresário afirma ainda o porquê decidiu investir na startup: “Esse projeto reunia todas as características que mais busco e valorizo. Ajudar a resolver o problema da fome no mundo e a desenvolver modelos de preservação ambiental”, explica. 

Para Luís Felipe, este é o momento das Corporate Ventures pensarem em realizar investimentos em projetos que tragam retornos além do valor monetário. É o momento de pensar em investir nas iniciativas que também proporcionem o desenvolvimento no âmbito humano, social e ambiental. “Chegou a hora de olhar para nós mesmos, para dentro. Acredito que viveremos um mundo mais simples, mais desapegado de bens materiais e mais voltado ao que realmente interessa, que somos nós mesmos e nossas relações interpessoais” complementa.

O aumento da consciência coletiva em relação aos problemas ambientais, faz com que iniciativas e empresas que apresentam soluções sustentáveis, venham ganhando, cada vez mais, destaque e se apresentem como possíveis saídas para controlar e amenizar as questões de desequilíbrio ambiental. Isso atrai o investimento de Corporate Ventures interessadas em propósitos maiores que, apenas, o retorno financeiro.  

Em discurso durante o Fórum Mundial Econômico, que aconteceu em janeiro deste ano na cidade de Davos,  o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, reforçou que “o planeta não será destruído”, o que será destruído será a capacidade de os humanos viverem no planeta e complementou que “a boa notícia é que as pessoas estão mobilizadas” e que “grupos de jovens, sociedade civil, governos locais e, cada vez mais, o setor privado entendem a necessidade de ação climática imediata.”

Neste caso, o empreendedorismo sustentável é uma nova forma de olhar para a temática, pois ele reconstrói o viés empreendedor e une o propósito do desenvolvimento coletivo, social e ambiental com a busca pelo desenvolvimento econômico e lucratividade.  

Website: https://2futureholding.com/

Você também pode gostar

Deixe um Comentário