Home / Atualidades / Tecnologias e Soluções digitais para o setor agro

Tecnologias e Soluções digitais para o setor agro

CONHEÇA 4 TECNOLOGIAS QUE VÃO DIGITALIZAR A AGRICULTURA BRASILEIRA

Drones, irrigação por controle remoto, aplicativos e inteligência artificial são tecnologias que têm gerado ótimos resultados na agricultura.

Drone e tecnologias mercado agro

A simples introdução de tecnologias de GPS em máquinas colheitadeiras, por exemplo, consegue otimizar o deslocamento dos tratores, economizando combustível.

 

“A tecnologia tem conseguido resolver de forma simples problemas de diversas áreas.

Para irrigação são desenvolvidos pivôs com controle remoto, para controle de pragas podem ser utilizados drones”

 

“A tecnologia tem conseguido resolver de forma simples problemas de diversas áreas.

Para irrigação, por exemplo, são desenvolvidos pivôs com controle remoto, para controle de pragas podem ser utilizados drones.”

Conta Guto Ferreira, Presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). A ABDI mapeou iniciativas em todo o país e traz uma lista com algumas delas.

 

GPS aliado a inteligência artificial:

 

Os tratores altamente tecnológicos já são uma realidade.

O Gerente de Implementação de tecnologias e Soluções Integradas da John Deere, Rois Pillon Nogueira, aponta que modelos da marca já podem melhorar o desempenho das lavouras por meio de inteligência artificial.

“A máquina me informa o que ela fez e de que forma ela fez.

Quando eu junto a informação com um diagnóstico, o desempenho no campo começa a melhorar.

Ela pode fazer caminhos menores na plantação economizando combustível, por exemplo.

Quando eu incluo a inteligência artificial, a própria máquina começa a operar, diante de algumas situações, otimizando os gastos”, relata.

 

Aplicativos para celular:

Um aplicativo de celular está transformando a cadeia produtiva do leite em Cacoal (RO). Graças à funcionalidade da tecnologia, houve melhora no manejo do rebanho e das pastagens, na coleta e no transporte, aumentando a produtividade.

Depois de seis meses de utilização do “Esteio Coleta” a produtividade do queijo da empresa Laticínio Jóia teve um incremento de 3,2%.

O aplicativo oferece, por exemplo, tecnologias georreferenciamento desde a coleta do leite, a saída dos caminhões, rota traçada, informações sobre o motorista e a condição das estradas, até o horário da chegada dos tanques no laticínio.

A ferramenta também permite melhorar a gestão do rebanho leiteiro pelos produtores, assim como o manejo da pastagem.

O projeto piloto do app foi desenvolvido pela ABDI a partir de diagnóstico realizado junto aos produtores locais. “Para cada quilo de queijo, utilizava-se 9,8 litros de leite. Agora, são usados 9,2 litros.

Isso representa para o laticínio uma economia de 40 mil reais por mês”, explica o Especialista em Desenvolvimento Produtivo da ABDI Antonio Tafuri.

A redução de custos pode chegar a R$ 480 mil ao ano.

 

Aplicativo para controle de ruminantes

Um outro aplicativo, desenvolvido por alunos da Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, promete traduzir o que a vaca sente.

Com um sensor que colocado em uma coleira instalada no pescoço dos animais, é possível monitorar a ruminação. “Até hoje, nós não conseguíamos saber quando o animal precisava ir ao médico, quando tinha que comer ou mesmo se ele gostou da ração.

Pelos movimentos diários dele, nós temos estas respostas”, explica Leonardo Martins da CowMed.

Com esses dados, o produtor consegue manejar de forma mais adequada o animal.

“Com a análise do ruminar do animal, eu consigo saber com antecedência se ele está ficando doente.”

Relata Martins. Antes, o mesmo tipo de diagnóstico dependia do olhar do criador.

Em um projeto piloto, de um ano, uma fazenda quase dobrou a produção, passando de 1500 litros para 2700.

 

Drones

Drones: Para o controle de pragas, uma tecnologia que tem mostrado ótimo potencial são os drones.

As máquinas voadoras permitem uma definição e qualidade nas imagens superior às geradas do modo mais comum hoje.

“Um satélite gera uma imagem de 30 m² por pixel, enquanto no drone cada pixel retrata 5 cm² do território”, explica Luis Lui, um dos Sócios da empresa Nong.

Acoplados aos drones estão sensores infravermelhos e termal, que geram fotos, mapas e dado.

As informações auxiliam na contagem de plantas e animais, na identificação de falhas no plantio, na detecção de pragas e doenças, no georreferenciamento da propriedade e no acompanhamento do desenvolvimento da lavoura.

“O produtor necessita deste mapeamento o mais preciso possível para a melhor aplicação de insumos, para evitar perdas e para obter os resultados em menos tempo”, afirma Luis.

 

Gestão de resíduos:

 

Outra tecnologia que tem ajudado as fazendas brasileiras são as pequenas usinas de biomassa.

O conceito não é tão novo, mas vem se popularizando cada vez mais.

A matéria prima para geração de energia é praticamente qualquer tipo de rejeito.

Ou seja, um agricultor de milho pode usar as cascas do produto como combustível para o funcionamento da caldeira. Um projeto da ABDI, em conjunto com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), pretende fazer um mapeamento dos resíduos gerados pela atividade agrícola.

Um dos principais benefícios destacados pelos desenvolvedores do projeto é a possibilidade de geração de energia pela biomassa.

 

A ABDI

 

“A ABDI identificou, em 2017, que existe uma carência de energia elétrica na região agrícola de Mato Grosso. Atualmente, cada novo empreendimento que surge é obrigado a pensar em alternativas para obter luz elétrica”, destaca o especialista em desenvolvimento produtivo da Agência Antônio Tafuri.

Em Foz do Iguaçu, outro projeto piloto, desenvolvido na Usina de Itaipu, vai pelo mesmo caminho.

A planta de biogás processa 500 quilos de restos de alimentos gerados nos restaurantes do complexo de Itaipu e transforma o composto em energia.

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*