Home Ecoverde Redes Sociais são fontes de informação sobre conservação da natureza

Redes Sociais são fontes de informação sobre conservação da natureza

por Agência Canal Veiculação

No Brasil, as principais entidades ambientalistas somam quase 700 mil
seguidores no Facebook. Nas redes em que está presente, a Fundação Grupo
Boticário registrou mais de 45 mil interações em 2012

Chamado recentemente de “capital mundial das redes sociais” pelo Wall Street Journal, o Brasil se destaca também na disponibilização de conteúdo para os internautas interessados em meio ambiente e conservação da
natureza. Diversas entidades ligadas à causa conservacionista já têm sólidos perfis no Facebook que se transformam cada vez mais em portais de disseminação do conhecimento.

Juntas, algumas das principais entidades ambientalistas que atuam no país, como a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a SOS Mata Atlântica, o WWF- Brasil e o Greenpeace Brasil, somam quase 700 mil fãs no
Facebook, maior rede de relacionamento no mundo.
Esse é um momento oportuno para as organizações que estão ligadas no ambiente virtual se conectarem com cada vez mais interessados, criando novas formas de comunicação, além do Facebook. A Fundação Grupo Boticário, por exemplo, já estava presente nas cinco principais redes sociais (Facebook, Youtube, Flickr, Twitter e Tumblr) e acaba de inaugurar perfis em mais duas: o Instagram, rede social baseada no compartilhamento de
fotos, e o Google +, aposta da empresa Google para reconquistar os usuários que deixaram de acessar o Orkut.

“A Fundação Grupo Boticário está ampliando sua presença nas redes sociais, pois essa é uma das melhores formas de levar a causa da conservação da natureza a cada vez mais pessoas de forma dinâmica e rápida. Queremos
sensibilizar as pessoas para as questões ambientais, potencializando nossa visão por meio da aproximação desse tema ao dia a dia dos internautas”, explica Malu Nunes, diretora executiva da instituição.

Presença nas redes sociais

Em 2012, em todas as redes nas quais atua, a Fundação Grupo Boticário obteve mais de 45 mil interações, entre compartilhamentos e curtidas no Facebook, retweets e mensagens diretas no Twitter, comentários no Tumblr e
visualizações no Youtube. Nesse mesmo ano, o Facebook e o Twitter da Fundação conquistaram mais de 15 mil novos fãs e seguidores – o que representa um aumento de 109% com relação a 2011.

Outra forma de contato com os interessados em conservação da natureza que tem se mostrado assertiva é a presença na rede de blogs Tumblr. Chamado de Direto da Reserva, e conquistando, em média, duas mil visitas mensais, essa iniciativa é um blog dedicado exclusivamente a notícias sobre as duas Reservas Particulares do Patrimônio Natural administradas pela Fundação Grupo Boticário: Salto Morato, localizada na Mata Atlântica, em
Guaraqueçaba (PR), e Serra do Tombador, localizada no Cerrado, em Cavalcante (GO).

“A estratégia nesses canais é atrair tanto pessoas relacionadas ao campo do meio ambiente, a exemplo de biólogos e profissionais de unidades de conservação, como pessoas da sociedade em geral”, destaca Malu Nunes.

Perfis da Fundação Grupo Boticário nas redes sociais

Youtube: http://www.youtube.com/fundacaoboticario

Facebook: https://www.facebook.com/fundacaogrupoboticario

Twitter: @fund_boticario

Tumblr: http://diretodareserva.tumblr.com/

Instagram: @fundacaogrupoboticario

Google+: Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza

Sobre a Fundação Grupo Boticário – A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.326 projetos de 450 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.
Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Projeto Oásis. Na internet:

www.fundacaogrupoboticario.org.br, www.twitter.com/fund_boticario e
www.facebook.com/fundacaogrupoboticario.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário