Home Ecoverde Bureau de Inteligência do Café destaca algumas tendências do setor identificadas em 2016

Bureau de Inteligência do Café destaca algumas tendências do setor identificadas em 2016

por Paulo Fernandes Maciel
Imagem Tendências do café, Embrapa Cafeicultura

O potencial de crescimento da produção chinesa, a destinação dos resíduos do consumo de café em cápsulas, a consolidação da Terceira Onda do Café e outras tendências são analisadas no Relatório Internacional de Tendências do Café de dezembro de 2016.

Imagem Tendências do café, Embrapa Cafeicultura

 

O Bureau de Inteligência Competitiva do Café da Universidade Federal de Lavras – UFLA destacou as principais tendências do setor cafeeiro no Relatório Internacional de Tendências do Café de dezembro de 2016. As tendências foram identificadas e analisadas pelo Bureau com foco na produção, indústria e cafeterias durante o ano de 2016 e dão subsídios para formulação de cenários do setor cafeeiro para os próximos anos.

Na perspectiva da ‘produção’, o Relatório Internacional de Tendências do Café (vol.5 nº11) mostra que a China deverá ser um grande país produtor de café. Segundo o Bureau, a cafeicultura chinesa cresceu de forma expressiva nos últimos anos e já superou 2 milhões de sacas. Além disso, empresas multinacionais estão investindo em estrutura para comprar grãos e treinar produtores. O Relatório destaca a vantagem logística para o escoamento da safra de café da China e analisa que “A ferrovia trans-eurasiana permite que os grãos cheguem a Europa muito mais rápido do que por navios. Agora, com o porto seco de Chongqing, a China poderá desenvolver novas estruturas logísticas que facilitem a classificação, exportação e rastreabilidade dos grãos. As autoridades já manifestaram o interesse em exportar, a partir de lá, grãos dos principais produtores da Ásia e, consideradas a longas rotas marítimas que esses grãos percorrem até a Europa, é possível que boa parte deles seja direcionada para a China. Com isso, o número de sacas exportadas pela localidade poderá chegar facilmente aos milhões e haverá aumento da competitiva do café asiático”.

Essa tendência de vantagem competitiva da China para acessar o mercado europeu, se confirmada, afetará significativamente as exportações brasileiras, tendo em vista que atualmente mais de 50% das exportações brasileiras, em média, são destinadas à Europa.

Na análise da ‘indústria’ de café, o crescimento da produção chinesa também foi destacado pelo Relatório nas exportações de café solúvel e de torrado e moído. Além disso, o Bureau ressalta que a indústria segue enfrentando o problema ambiental decorrente dos resíduos gerados pelo consumo de café em cápsulas. Programas para coleta e reciclagem foram implantados em diversos países e, mais recentemente, a borra do café que fica nas cápsulas usadas também começou a fazer parte das boas práticas ambientais, mas segundo o Relatório esse problema de destinação dos resíduos das cápsulas ainda precisa de uma solução efetiva.

Com relação às ‘cafeterias’, o Relatório Internacional de Tendências do Café de dezembro apontou a consolidação da Terceira Onda do Café, que está ligada à percepção do café como produto artesanal, diferenciado por inúmeros atributos, como qualidade, origem, torra e método de preparo, que é comercializado de forma mais direta entre os elos da cadeia produtiva. As análises do Relatório enfatizaram o grande crescimento do número de cafeterias que vem sendo observado na Ásia e o desenvolvimento recente desse mercado na África. Segundo o Bureau, o crescimento econômico, aliado ao aumento da demanda interna e a urbanização de alguns países favorece o aumento do consumo, o que motiva o otimismo de produtores do continente africano.

O Bureau traz também no seu Relatório de dezembro o artigo ‘Cafeterias de Alta Qualidade: São Paulo se Equipara aos Grandes Centros Internacionais’, de autoria de José Márcio Carvalho, professor da Universidade de Brasília – UnB, o qual também realiza pesquisa no âmbito do Consórcio Pesquisa Café. O referido artigo conclui que “São Paulo tem cafeterias que trazem as tendências de consumo de cafés semelhantes a outros centros internacionais como Londres, Estocolmo ou Seattle, ou seja, não é necessário ir a estas cidades no exterior para conhecer os principais padrões de consumo internacionais. A grande diferença é que em São Paulo são servidos principalmente cafés de origem brasileira, o que não compromete em nada a qualidade dos cafés, pois o Brasil, sendo um país de dimensões continentais, tem uma grande diversidade de cafés de qualidade”.

Relatório Internacional de Tendências Competitiva do Café – O relatório disponível no Observatório do Café faz parte do Plano de ação do projeto do Consórcio Pesquisa Café denominado “Criação e Difusão de Inteligência Competitiva para Cafeicultura Brasileira”. O projeto é financiado pelo Fundo de Defesa da Economia Cafeeira – Funcafé, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa, e tem o objetivo de monitorar, analisar e difundir informações e indicadores relevantes para a competitividade da cafeicultura brasileira, bem como propor soluções estratégicas para os problemas enfrentados pelo setor.

Para ler na íntegra o Relatório Internacional de Tendências do Café do mês de dezembro de 2016, acesse:

http://www.consorciopesquisacafe.com.br

Fonte: www.embrapa.br

 

Artigos relacionados:

APPS FACILITAM A ROTINA DO AGRONEGOCIOhttp:

 

 

Você também pode gostar

Deixe um Comentário