Home / Ecoverde / Agrotecnologia em discussão em Brasília

Agrotecnologia em discussão em Brasília

Brasília discute agroecologia a partir de terça (12).

agroecologia
Congressos latino-americano e brasileiro e seminário do DF e Entorno ocorrerão no Centro de Convenções Ulysses Guimarães até sexta (15) 

A agroecologia será o tema de três encontros simultâneos em Brasília a partir de terça-feira (12).

A cidade recebe o 6º Congresso Latino-americano de Agroecologia;

O 10º Congresso Brasileiro de Agroecologia e o 5º Seminário de Agroecologia do DF e Entorno.

Todos ocorrerão no Centro de Convenções Ulysses Guimarães até sexta (15).
A agroecologia é um método de produção rural que se baseia no manejo de diversas espécies — hortaliças, frutíferas e nativas;

Para garantir a biodiversidade no meio rural. Com isso, uma planta serve de insumo ou proteção contra pragas para outra.
A variedade de espécies e as funções que cada uma desempenha evitam o uso de agrotóxicos e fertilizantes industrializados nas propriedades.
O objetivo dos eventos é fortalecer esse modelo.

Eles são organizados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF);

As Secretarias da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural;

Do Meio Ambiente; do Trabalho, Desenvolvimento Social, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos;

O Instituto Brasília Ambiental (Ibram) e a Universidade de Brasília (UnB).

 
5 mil participantes
Estimativa de participantes nos três encontros sobre agroecologia em Brasília de 12 a 15 de setembro.
A discussão central dos três encontros trata do tema Agroecológico na Transformação dos Sistemas Agroalimentares na América Latina:

Memórias, Saberes e Caminhos para o Bem Viver.

Para isso, a programação conta com palestras, mesas-redondas, cursos e visitas a propriedades rurais.
Também serão apresentados 2,2 mil trabalhos acadêmicos da Europa, da África, da América Latina e da América do Norte.

A expectativa é que 5 mil pessoas participem das atividades.

 
Os debates estão organizados em 13 eixos:
Políticas Públicas e Conjuntura
Mulheres e Agroecologia
Juventudes e Agroecologia
Educação em Agroecologia
Construção do Conhecimento Agroecológico
Campesinato e Soberania Alimentar
Conservação e Manejo da Sociobiodiversidade e Direitos dos Agricultores e Povos e Comunidades Tradicionais
Agroecologia e resiliência socioecológica às mudanças climáticas e outros estresses
Manejo de Agroecossistemas e Agricultura Orgânica
Agrotóxicos e Organismos Geneticamente Modificados
Agroecologia e Agriculturas Urbana e Periurbana
Estratégias Econômicas em Diálogo com a Agroecologia
Memórias e História da Agroecologia
Congresso debate agroecologia no Centro-Oeste.
No âmbito do Distrito Federal, a produção agroecológica no Cerrado entra como um dos eixos de discussão.

“Essa é a primeira vez que congressos dessa importância ocorrem no Centro-Oeste.

É uma oportunidade de debatermos como avançar nas políticas públicas, nas estratégias e nas pesquisas na região”;

Destaca a presidente do 10º Congresso Brasileiro de Agroecologia e pesquisadora da Embrapa, Mariane Vidal.

 
Os quatro dias de atividade darão condições de o público em geral entender o que é e como funciona o sistema de produção agroecológica.

“Discutir a área rural de Brasília no Centro de Convenções [Ulysses Guimarães] é uma forma de as pessoas conhecerem a produção e os produtores, de compartilharem as experiências”;

Ressalta o secretário da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, Argileu Martins.

 
São 300 os produtores inseridos
Quantidade de produtores do DF inseridos em base agroecológica
O Distrito Federal tem 300 produtores inseridos em base  agroecológica e 1.130 em processo de transição para o modelo.

Além disso, existem 210 agricultores com certificação de orgânica no território.
A adesão ao sistema se dá, entre outras razões, ao trabalho de extensão rural.

“Os produtores no DF são muito antenados em relação ao tema.

Além disso, a Emater-DF tem uma capilaridade muito boa junto a eles”, explica o coordenador do Programa de Agroecologia da Emater-DF, Roberto Carneiro.
O fato de os congressos ocorrerem na capital federal atrai mais atenção dos gestores públicos para as demandas do setor.

“Conseguimos, dessa forma, fortalecer política e institucionalmente a agroecologia no DF”;

Diz Carneiro.
Entre as atividades previstas estão as visitas técnicas a 13 propriedades modelo, no fim de semana seguinte aos congressos.

Os roteiros foram definidos de acordo com os eixos de discussão e fortalecem o contato entre produtores rurais de diversas regiões.
“Queremos intensificar a troca de experiência entre os agricultores”;

Explica Raoni Nazareth Costa, agente em unidades de conservação da Gerência de Manejo e Gestão de Áreas Protegidas, do Ibram.

 
Agroecologia protege o meio ambiente
A produção agroecológica é fundamental para barrar a degradação do Cerrado, de acordo com a presidente do Congresso Brasileiro de Agroecologia.

“Ela não esgota nascentes, pelo contrário, permite a recuperação dos recursos hídricos.

A agroecologia tem diálogo direto com a recuperação da biodiversidade”;

Defende a pesquisadora da Embrapa Mariane Vidal.
Os benefícios trazidos por esse modelo de produção rural, como aumento da umidade e produção de solo fértil, são fundamentais para o enfrentamento de problemas ambientais.

Ele representa também o caminho viável para combater a degradação do bioma;

Segundo o secretário do Meio Ambiente, André Lima.

 
Marco legal fortalece agroecologia e produção orgânica no DF
“Por meio da agroecologia, é possível produzir e gerar renda.

Com isso, atribui-se valor econômico, para além do caráter contemplativo, ao Cerrado”, defende.

A pasta participa dos encontros em oficinas e mesas de debate sobre os incentivos à implementação de agroflorestas no Distrito Federal.
O Brasil é referência na definição de políticas públicas para agroecologia A Lei Federal nº 10.831,

de 23 de dezembro de 2003, conhecida como Lei dos Orgânicos, inovou ao estabelecer a certificação de produtos orgânicos.

A legislação também estabeleceu as bases para o Decreto nº 7.794, de 20 de agosto de 2012, que institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica.
Além das atividades acadêmicas, o Centro de Convenções receberá uma feira agroecológica aberta ao público.

Ela funcionará de terça a quinta-feira, das 10 às 22 horas. Na sexta, no encerramento dos encontros, ela abrirá das 10 às 13 horas.
6º Congresso Latino-americano de Agroecologia, 10º Congresso Brasileiro de Agroecologia e 5º Seminário de Agroecologia do DF e Entorno
De 12 a 15 de setembro
No Centro de Convenções Ulysses Guimarães
Informações sobre inscrição e programação no site Agroecologia 2017

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*