Home Artigos ABDI aposta nos 30 GW em energia eólica até 2025

ABDI aposta nos 30 GW em energia eólica até 2025

por Paulo Fernandes Maciel
Imagem parque eólico

Energia suficiente para abastecer o consumo de 48 milhões de residências  com Geração das eólicas.

Imagem parque eólico
De olho na competitividade do setor de energia eólica no Brasil, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) criou um Grupo de Trabalho para formular propostas e contribuir com a definição dos temas estratégicos para o setor e para a indústria no médio e longo prazos.

A perspectiva do GT é atingir 30 gigawatts (GW) em 2025, considerando 25,1GW previstos no Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2025) e 5GW que poderão ser exportados pela indústria brasileira. Na reunião realizada em Brasília, o GT validou o documento Plano Nacional de Desenvolvimento Setorial em Energia Eólica na Perspectiva da Indústria – Subsídios para uma Agenda Estratégica, que elenca 12 temas sensíveis, tais como estímulos à demanda, financiamento, linhas de transmissão, exportação, cadeia produtiva, P&D e Inovação, dentre outros.

 

Composto por especialistas da ABDI, do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) e da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), o Grupo formatou o documento após discussões em duas reuniões, realizadas em setembro e em dezembro do ano passado.

 

De acordo com o presidente da ABDI, Guto Ferreira, a proposta do grupo é discutir, propor e criar subsídios para a formulação de um Plano Nacional de Desenvolvimento Setorial em Energia Eólica na Perspectiva da Indústria. “Ao longo do segundo semestre de 2016, reunimos especialistas e representantes do setor e já temos o esboço desse plano na perspectiva da indústria. O próximo passo é apresentar e discutir o teor das medidas propostas com demais representantes do governo federal, do setor produtivo e com outros atores interessados no desenvolvimento da cadeia produtiva, de modo a reforçar a competitividade da indústria brasileira dedicada a fornecer bens e serviços para o setor de energia eólica”, adiantou o presidente.

 

Ainda, de acordo com Guto Ferreira, o sucesso da energia eólica é confirmado pela contratação de mais de 14GW no ambiente regulado entre 2009 e 2015, uma taxa de crescimento não observada em outras experiências no mundo. Alguns fatores explicam a vantagem da produção brasileira de energia eólica, como ventos mais favoráveis, especialmente no nordeste brasileiro, complementação com a geração hidrelétrica e a possibilidade de “estocagem indireta” de energia por meio dos reservatórios das usinas hidrelétricas. “Essas características permitem ao Brasil lidar melhor com a intermitência da geração eólica, que é o principal limitante de sua difusão em sistemas predominantemente termelétricos observados em outros países”, observou o presidente da ABDI.

 

Para a presidente executiva da ABEEólica, Elbia Gannoum, o desenvolvimento da energia eólica no Brasil não é apenas uma questão de planejamento energético, mas um assunto estratégico para o País, especialmente para o setor industrial. “A energia eólica é hoje uma das fontes de energia elétrica mais competitiva. Além disso, não apenas a eólica faz bem para o bolso, como também para o meio ambiente”.

Elbia lembrou que, para cumprir o Acordo do Clima, o Brasil precisa de mais eólicas. “O país tem um dos melhores ventos do mundo e um potencial muito maior do que o que precisamos de energia. É, portanto, uma possibilidade de energia limpa, sustentável, de baixíssimo impacto ambiental e que ainda possui uma cadeia produtiva 80% nacionalizada, tendo sido responsável pela geração de mais de 160 mil postos de trabalho. Todos os esforços para que as eólicas continuem a crescer são bem-vindos e farão bem ao Brasil. Unir forças em torno do desenvolvimento da eólica é necessário”, defendeu a presidente.

Confira os 12 temas da Agenda Estratégica para Energia Eólica:

Estímulos à Demanda; Financiamento; Linhas de Transmissão; Tributação; Estatística Setorial e Cadeia Produtiva; Licenciamento Ambiental; Logística; Capacitação, Treinamento, P&D e Inovação; Exportação; Atração de Investimentos; Cooperação Internacional; Representação Parlamentar e de Governo.

Proposta em evolução

De acordo com o especialista em Desenvolvimento Produtivo e coordenador técnico da iniciativa na ABDI, Jorge Boeira, a agenda estratégica proposta pelo grupo tem como objetivo auxiliar a discussão e a atualização de políticas públicas de fomento do setor. “O texto não é definitivo e deve ser encarado muito mais como um documento a ser atualizado continuamente, de forma a contemplar as oscilações do mercado e do ambiente de negócios para o setor”, explicou Boeira.

Você também pode gostar

Deixe um Comentário