Home Artigos Serviços digitais: a importância de se monitorar todos os tipos de tecnologias

Serviços digitais: a importância de se monitorar todos os tipos de tecnologias

por admin

A assombrosa quantidade de serviços digitais requer atualizações frequentes

A digitalização da economia torna urgente garantir a qualidade dos serviços digitais providos a usuários internos e externos (clientes e parceiros). Em 2021, a própria continuidade de processos de negócios dependerá do uso de soluções de monitoramento que; com a ajuda de sensores inteligentes, conseguem conferir o status da infraestrutura digital; de aplicações, de dispositivos IoT, de aplicações e até mesmo de objetos não originalmente digitais. Isso inclui a monitoração de espaços físicos.

A disrupção digital e a demanda de serviços digitais

David Montoya, diretor regional da Paessler Américas, comenta as tendências para 2021: “A disrupção digital de 2020 continuará em 2021, consolidando as tendências de trabalho flexível; otimização do uso da tecnologia e adoção de projetos inteligentes para reduzir custos e aumentar a eficiência das empresas e instituições. Nosso objetivo neste ano é aumentar os projetos de IoT comercial e industrial; e capacitar os nossos canais para serem mais eficientes no fechamento das oportunidades. Teremos um foco especial em contas corporativas e nos segmentos de Indústria 4.0, Educação e Edifícios Inteligentes.

Visando 2030

Com vistas a 2030, queremos ser a empresa mais reconhecida no campo do monitoramento de tecnologias e que permita aos clientes da plataforma PRTG ter uma única console para monitorar tudo.” Segundo Montoya, a Paessler cresceu 10% em 2020 e se prepara para, até 2030, ser a empresa que monitorará todos os tipos de tecnologias.

Luis Arís, gerente de desenvolvimento de negócios da Paessler LATAM, enfatiza que a região está se preparando para receber os frutos da aliança com a aplicação Flowmon. A Paessler está, também, desenvolvendo novos sensores para integração com IoT, e incrementando tecnologias para integração com serviços na nuvem (como os sensores Microsoft Azure). O objetivo é aumentar, em curto prazo, as capacidades de monitoramento de rede clássico, de componentes de segurança informática, nuvem e outros cenários, como Edge Computing. Além disso, a empresa continuará trabalhando nos produtos Paessler PRTG Enterprise Monitor, PRTG Desktop e PRTG Apps.

Para Montoya, a incerteza que 2020 representou devido à pandemia COVID-19 foi um desafio para a maioria das empresas, mas ajudou a acelerar a adoção e inovação tecnológica. “Vemos isso como uma mudança positiva em direção ao futuro”.

Suporte ao trabalho remoto e demanda dos serviços digitais

Em 2020, o PRTG ajudou empresas de diversos portes a manter suas infraestruturas para suportar o trabalho remoto, por meio de licenças comerciais para médias e grandes empresas, e licenças de freeware para o setor das micro e pequenas empresas. A empresa também contribuiu com o lançamento de uma plataforma de monitoramento e prognóstico para apoiar os hospitais na gestão da pandemia durante a primeira fase dos contágios. Investiu, também, no desenvolvimento de tecnologia para monitoramento dos setores de saúde, educação e indústria inteligente.

Time to Connect

Sobre a estratégia de canais, Arís comenta:

“Devido às restrições a eventos presenciais, organizamos uma série de oito eventos Time to Connect; que abrangeram toda a América Latina, para os quais convidamos os canais a participar e mostraram a usuários finais seus desenvolvimentos e serviços profissionais. Oferecemos capacitações comerciais e técnicas aos nossos distribuidores e seus canais. Adicionalmente, realizamos dois cursos de Certificação Monitoring Camp totalmente virtuais; por meio de um ambiente de treinamento na nuvem, que nos permitiu manter nossos treinamentos práticos a distância, mas com êxito. Outro destaque é a ampliação da capacidade de monitoramento por meio da integração, ao PRTG, dos protocolos Modbus, MQTT e OPC UA, todos utilizados na indústria manufatureira. Isso fez do PRTG o ponto de convergência entre a Tecnologia da Informação (TI) e a Tecnologia Operacional (OT).

Caminho só de ida

A digitalização da economia da América Latina e do Brasil é um caminho sem volta”, resume Arís. “O crescimento das empresas passará cada vez mais pela disponibilidade e controle de todos os elementos digitais de seus ambientes, da infraestrutura de rede às aplicações de negócios, sem esquecer dispositivos IoT e, também, aplicações de IIoT. O uso de uma plataforma potente e centralizada de gerenciamento é essencial para que o Brasil avance em 2021”.

serviços digitais

Você também pode gostar

Deixe um Comentário