Home / Mídia Corporativa / Veículos autônomos tem segurança discutida

Veículos autônomos tem segurança discutida

É hora de falarmos sobre a segurança dos veículos autônomos.

Após o acidente fatal com um dos veículos autônomos do Uber no Arizona (EUA), há algumas semanas;

Este me parece o momento para fazermos algumas reflexões sobre o significado da segurança dos sistemas de detecção e tomada de decisão dos carros autônomos.

Carro autônomo do Uber marca Volvo veículos Autônomos

A experiência faz a diferença – especialmente, quando falamos em sistemas de detecção e tomada de decisão

A sociedade espera que estas máquinas tragam padrões de segurança mais elevados até que os dos motoristas.

Mas, antes de trazer isso à discussão, precisamos falar sobre o desafio de interpretar as informações captadas pelos sensores e sobre a capacidade dos carros de detectar e classificar objetos.

Recursos envolvidos

Essa capacidade é o coração do sistema avançado de assistência ao condutor (Advanced Driver Assistance Systems – ADAS).

Que inclui recursos de frenagem automática de emergência (Automatic Emergency Braking – AEB) e para permanência em faixa.

O ADAS usa sensores de alta precisão que estão efetivamente salvando vidas, como comprovamos com bilhões de quilômetros já rodados em testes.

Essa mesma tecnologia será elemento fundamental dos veículos autônomos do futuro.

Assuntos relacionados:

Brasileiros precisam aprender a obedecer a lei para ter carros autônomos

Caminhão autônomo Google

Tecnologia sofisticada

Para demonstrar o poder e a sofisticação da nossa tecnologia, colocamos no sistema as imagens liberadas pela polícia sobre o acidente com o Uber a um programa de TV.

Apesar da baixa qualidade do material capturado de um televisor;

Em que grande parte das informações presentes na cena real provavelmente se perdeu, a detecção clara da presença da ciclista;

Que infelizmente que foi vítima deste acidente, foi realizada aproximadamente um segundo antes do impacto.

Seqência de 3 imagens com a ciclista e traços luminosos definindo pontos

Imagens de um vídeo exibido por um monitor de TV mostrando o material liberado pela polícia. Os gráficos sobrepostos mostram a resposta do sistema Mobileye ADAS. Os quadros delimitadores em verde e branco apresentam os resultados do módulo detectando a bicicleta e a pedestre. O gráfico horizontal mostra o limite entre a pista e os obstáculos físicos, o que chamamos de “espaço livre”.

 

Nas imagens acima é possível ver a detecção da bicicleta e da pessoa delimitada por quadros.

A detecção vem de duas fontes distintas: reconhecimento de padrões, que gera os quadros delimitadores;

E um módulo de detecção de “espaço livre”, que gera o gráfico horizontal onde a seção de cor vermelha indica que um “usuário da via” está presente acima da linha.
Um terceiro módulo separa objetos da pista usando a estrutura do movimento – em termos técnicos: “plano+paralaxe”.

Isso valida a presença 3D do objeto detectado com baixa confiança, como descrito por “fcvValid: Low”, exibido na parte superior esquerda da tela.

Essa baixa confiança ocorreu por causa da falta de informação normalmente disponível em um veículo e também devido à baixa qualidade de imagem resultante da captura de imagens em um monitor de TV com uma câmera em movimento sujeita a interferências desconhecidas.

Logomarca da Intel tecnologias para veículos autônomos
A visão computacional

O software utilizado nesse experimento é o mesmo presente nos veículos hoje equipados com ADAS.

Os recentes avanços em inteligência artificial, como a criação de redes neurais profundas;

Têm levado as pessoas a acreditar que agora é fácil desenvolver um sistema de detecção de objetos altamente preciso;

E também que a experiência de mais de uma década de especialistas em visão computacional é possível de ser descartada.

Essa crença está tornando possível a muitos novatos entrarem nesse mercado.

 

Validação dos programas ADAS

Mesmo que essas tecnologias sejam úteis, o legado de identificar e concluir centenas de objetos;

Anotar conjuntos de dados de dezenas de milhões de quilômetros;

Realizar testes desafiadores de validação de pré-produção com dezenas de programas ADAS, não pode ser ignorado.

Experiência conta, especialmente em áreas de segurança crítica.

 

Sobre Responsabilidade sensitiva

A segunda observação é sobre transparência. Todos dizem que “segurança é a consideração mais importante”.

Mas acreditamos que, para ganhar a confiança do público, temos de ser mais transparentes sobre o significado dessa declaração.

Como afirmei em outubro, quando a Mobileye lançouo Responsible Sensitive Safety (RSS, a tomada de decisão deve respeitar o bom senso do julgamento humano.

Estabelecemos um formalismo matemático de noções de senso comum, como “situações perigosas” e “respostas adequadas.”

Além de desenvolver um sistema para garantir matematicamente o cumprimento dessas definições.

 

Redundância

 

A terceira observação é sobre a redundância.

A verdadeira redundância do sistema de percepção deve contar com fontes independentes de informações: câmeras, radares e LIDAR.

Trazê-los juntos é bom para o conforto da condução, mas é ruim para a segurança.

Na Mobileye, para mostrar que temos uma verdadeira redundância, desenvolvemos um sistema completo;

E separado somente com câmeras e um sistema separado somente com LIDAR e radares.

logotipo Intel

 

Na possibilidade de novos casos

Se novos acidentes como o ocorrido no Arizona acontecerem;

Isso pode tornar ainda mais a já frágil confiança dos consumidores nos veículos autônomos e estimular a criação de regulamentações capazes de sufocar esse importante trabalho.

Como afirmei durante a apresentação do RSS:

Acredito firmemente que a hora de ter discussões relevantes sobre a estrutura de validação da segurança para veículos totalmente autônomos é agora.

Convidamos montadoras, empresas de tecnologia, agências reguladoras e outras partes interessadas a se reunirem para juntos decidirmos essas importantes questões.

Créditos: Amnon Shashua

Professor Amnon Shashua diretor de tecnologia da Mobileye

Professor Amnon Shashua é vice-presidente sênior da Intel Corporation, diretor executivo e diretor de tecnologia da Mobileye, uma empresa da Intel.

Sobre a Intel:

A Intel (NASDAQ: INTC) expande as fronteiras da tecnologia para tornar as mais incríveis experiências possíveis. Informações sobre a Intel pode ser encontrada.

em newsroom.intel.com, newsroom.intel.com.br e intel.com

Siga a Intel no Twitter e no Facebook: www.twitter.com/intelbrasil e www.facebook.com/intelbrasil.
Intel e o logo da Intel são maras registradas da Intel Corporation ou de suas subsidiárias nos Estados Unidos e em outros países.

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*