Home / Fotografia / Entenda significado das letras nas lentes NIKON
Natura 234x60

Entenda significado das letras nas lentes NIKON

Temos que sempre nos atentar que a mesma sigla ou uma sigla bem semelhante pode ter um significado bem diferente para outros fabricante. Na maioria das vezes e apesar de serem diferentes entre si, as siglas muitas vezes significam as mesmas coisas, mas é sempre bom dar uma conferida e ver se não se trata de uma nova tecnologia ou recurso e que pode ter algum outro siginificado.

Para que servem as letras nas Lentes NIKON?

Elas mostram características especiais da lente, desde seu funcionamento, até a qualidade dos elementos ópticos que estão dentro dela.

free-vector-nikon-logo_090581_Nikon_logo

AI – Aperture Indexing – Indexação de abertura
Aperture Indexing é um sistema que permite que as lentes se comuniquem com a câmera através de um contato mecânico.

Assim, a lente informa ao corpo seus valores de abertura. A abertura é manual, mas é realizada ao girarmos um botão no corpo da câmera, e não pelo anel de abertura que outras lentes têm. Esse sistema foi lançado pela Nikon em 1977.

AI-S – Aperture Indexing – Indexação de abertura
São basicamente as lentes AI, mas com a adição de suporte para novos recursos, como transmissão de abertura linear e modo programado para velocidade de disparo. Lançado em 1982, é uma variação das lentes AI para o mount F da Nikon.

AF – Auto Focus – Foco Automático
São lentes preparadas para foco automático, mas que não possuem o motor necessário para isso dentro delas.

O motor de autofoco deve estar no corpo da câmera. Por exemplo, se você usar essa lente numa D90, D7000 ou superior, a câmera realizará o foco automaticamente, ao segurarmos o disparador pela metade. Mas, se utilizar a lente numa D3000, D5000 ou suass sucessoras D3100 e D5100, ela não realizará o auto-foco. Foram lançadas em 1992.

AF-S – Build in Auto Focus Motor – Motor de Auto Foco Incorporado
Lançada em 1996, essa classe de lentes possui motor de auto-foco embutido. Além de poder ser utilizado em mais câmeras, possui um sistema de focagem mais rápida e silenciosa que as lentes AF. Por não possuir um anel de abertura mecânico, quando usadas em câmeras mais antigas, atuam sempre em sua menor abertura.

AF-D
Uma das variações de lentes Nikon auto foco “mount F”.

AF-G
Lentes controladas eletronicamente, não apresentam anéis no tambor. Os ajustes são feitos pelo corpo da câmera, por isso não podem ser usados em câmeras mais antigas.

D/G – Distance Information – Informações de Distância
Essas lentes informam a distância entre a câmera e o que estamos fotografando. Assim, foi possível avanços na fotometria matricial 3D e no sensor do flash, permitindo que o flash fizesse uma iluminação mais correta e equilibrada.

DX – Para corpos de DSLR com fator de corte
São lentes exclusivamente desenhadas para câmeras digitais SLR da Nikon, levando em consideração seu fator de corte. Como a área do sensor digital é menor que a de um frame de filme 35mm, parte da luz que entra numa câmera digital que usa lentes tradicionais é “desperdiçada”. As lentes DX são projetadas para a luz se enquadrar com mais perfeição ao sensor da câmera. Por isso, elas não podem ser usadas em câmeras fullframe, que captarão as bordas da lente em suas fotos. Foi criada para câmeras como D90, D7000, D3100, D5100, D300 etc.

FX – Para corpos padrão 35mm
São lentes projetadas para frames de 35mm, nas câmeras 35mm AF e digitais SLR da Nikon, como D3x, D700, entre outras.

ED – Extra Low Dispersion Glass – Elemento ótico extra de baixa dispersão
Lentes ED têm ganhos de nitidez e reprodução de cores. São elementos de melhor qualidade, encontradas nas lentes mais caras produzidas pela Nikon. Traz os benefícios das lentes feitas a partir de cálcio fluorite, porém, mais resistentes.

ASF – Aspherical Lens Elements – Elementos de lente asféricos
Em lentes comuns, os elementos óticos são esféricos, causando distorções de ângulos e cores, chamadas “aberrações esféricas”. As lentes asféricas corrigem essas distorções, especialmente em grandes-angulares.

CRC – Close-Range Correction System – Sistema de correção de Variedade de Foco
Encontrado em lentes olho-de-peixe, grande angular, macro e teleobetiva média da Nikkor, o CRC promove uma qualidade superior de focagem em distâncias próximas e quando a distância aumenta. Cada grupo de lentes se move independentemente quando vamos focalizar, aumentando a performance de focagem, quando vamos alternar entre um foco próximo e outro distante.

IF – Internal Focusing – Focagem interna
As lentes IF fazem a focagem sem alterar o tamanho. O movimento ótico é feito internamente, garantindo uma lente mais leve e compacta, além de realizar um foco mais rápido.

DC – Defocus Control Lens – Lente de Controle de Desfocagem
Com essas lentes, o fotógrafo pode controlar o grau de aberração esférica em primeiro plano ou no plano de fundo. Em outras palavras, você pode acentuar a área desfocada girado o anel DC da lente. Ideal para destacar a pessoa fotografada em um retrato, por exemplo.

RF – Rear Focusing – Focagem traseira
As lentes têm seus elementos óticos divididos em grupos específicos. Nas lentes RF, apenas os elementos traseiros se movem na focagem, aumentando a velocidade da operação de auto-foco.

VR – Vibration Reduction – Redutor de Vibração
Diminui o efeito do tremor das câmeras em fotos de baixa velocidade. A lente identifica o tremor do fotógrafo e, através de motores internos, corrige isso, permitindo fotos mais nítidas. É muito útil quando você for fotografar em ambientes escuros, já que permite trabalhar com até três velocidades (f/stops) abaixo da recomendada, além de fotos com teleobjetiva, quando o problema fica mais nítido. Mas, prepare o bolso. Lentes VR são mais caras que as comuns.

 

Estaremos na medida do possível atualizando este artigo sempre que surgirem ou aparecerem novas siglas no mercado: última atualização Março/2014

NIKON

300x250

About Carlos Xandelly

Função:Reviewer-Editor Chefe | Cidade: Campinas - SP | Nick: Xandelly | Seu perfil: Analista de Negócios Estratégicos, Empreendedor, Curador Campus Party Brasil 2013, 2014 e 2015, Curador da Campus Future, redator e editor técnico com expertise no segmento tecnológico e empreendedorismo digital. Fundador do OverBR, trabalhou na IBM durante 11 anos e participou da implantação do projeto EDI (electronic transfer of data), Analista de Network da American Express Brasil durante 2009 a 2012. Atualmente se dedica a auxiliar novos empreendedores e redação técnica para diversas mídias da WEB.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*