Home / Ecoverde / Temos máquina para debulhar feijão ainda verde

Temos máquina para debulhar feijão ainda verde

Máquina de debulhar feijão ainda verde revoluciona a produtividade do pequeno agricultor.

Uma máquina, desenvolvida por pesquisadores da Embrapa, quintuplica a produtividade da debulha de feijões ainda verdes;

E deve ajudar milhares de agricultores familiares que trabalham com essa cultura no Nordeste brasileiro e em outras regiões.
O processo manual de separação do grão da casca, conhecido como debulha;

Quando executado por uma pessoa adulta, rende de quatro a seis quilos por hora.

Com a máquina, o pequeno produtor consegue debulhar até 25 quilos de grãos de feijão verde por hora.
A primeira comunidade agrícola beneficiada com a debulhadora foi a Cooperativa dos Produtores Agropecuários do Portal do Parnaíba (Cooperagro);

Na zona rural norte de Teresina.

Vinte famílias já testam a máquina há cerca de um ano e com ela conseguiram mudar de vida.

“Essa debulhadora está sendo uma revolução na agricultura familiar”;

Exalta Marcos Venicíos Andrade de Araújo, 48 anos, presidente da cooperativa.
Segundo ele, com o uso da máquina, a Cooperagro deu um salto de eficiência no beneficiamento de feijão verde.

“O que antes parecia impossível, hoje se tornou uma realidade. Antes, debulhávamos uma média de 30 quilos de feijão por dia.

Hoje, com apenas um operador, conseguimos alcançar cerca de 200 quilos por dia”, comemora Araújo.


O equipamento, que foi desenvolvido com apoio do Banco do Nordeste pelos pesquisadores:

César Nogueira e Francisco Freire Filho, ambos da Embrapa, mede 45 centímetros de comprimento por 43 de altura;

Pesa 12 quilos e funciona com um motor elétrico de 250 Watts.
“Esse avanço acelera o rendimento da mão de obra e incrementa a renda”;

Destaca César Nogueira, lembrando que a debulha de 25 quilos de feijão verde por hora é suficiente para atender à demanda de grupos familiares que vendem a produção a restaurantes, supermercados e em feiras.
A produção de feijão verde, majoritariamente da espécie caupi (Vigna unguiculata);

No Nordeste brasileiro é manual do plantio ao beneficiamento.

Nogueira explica que o processo de debulha é relativamente fácil quando se trata de quantidade para o consumo diário de uma família.

“No entanto, quando a atividade visa à comercialização, se torna um trabalho cansativo e com baixo rendimento”, frisa o cientista.
“É importante que os agricultores saibam que a máquina pode ser usada também para debulhar o feijão seco ou maduro;

Com umidade do grão inferior a 15%”, detalha o pesquisador.

Na debulha de feijões ainda verdes, a umidade do grão deve estar entre 35% e 60%.

“Mas se a umidade estiver no intervalo de 16% a 35%, há uma tendência de amassar os grãos pelo fato de as vagens e os grãos estarem em estágio plástico”, alerta.
Outra orientação dos pesquisadores que deve ser seguida à risca pelos produtores é sobre o momento da colheita.

O agricultor que produz feijão verde sabe qual é o ponto ideal.

Ele ocorre quando as vagens atingem o volume máximo de desenvolvimento e começam a mudar da cor verde para a roxa ou amarela, dependendo da cultivar.
Nesse momento, os grãos atingem o peso máximo.

Ou seja: é o ponto em que os grãos param de crescer, dando início ao processo de desidratação natural. Isso é importante sob o aspecto econômico, porque o grão rende mais e pode ser mais bem trabalhado. Segundo Nogueira, nesse intervalo a umidade pode variar entre 40% e 60%.
A máquina é simples, de fácil construção e de baixo custo.

Se produzida por unidade, em Teresina (PI), seu custo fica em cerca de R$ 800,00, ou mais.

Se a produção for em série de pelo menos dez, o preço diminui para R$ 500,00 ou até menos do que isso, de acordo com César Nogueira.

Fonte: (Carta Campinas com informações de divulgação)

300x250

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*