Home / Dicas / Planejamento financeiro em 5 ótimos passos

Planejamento financeiro em 5 ótimos passos

5 passos importantes para se fazer um bom planejamento financeiro.

planejamento financeiro

 

Fazer um planejamento financeiro é mais simples do que se imagina!

 

Em períodos de recessão, é normal querermos economizar ao máximo pensando no dia de amanhã.

Mas para isso acontecer, é preciso muito cuidado toda vez que for poupar alguma grana.

 

Planejar as finanças não é apenas guardar parte da renda mensal;

Por isso é preciso saber o quanto de dinheiro estará disponível para lazer;

E qual será a quantia a ser gasta com impostos e contas do dia a dia, como luz água telefone e internet.

Leia também: Viver de investimentos é Possível com planejamento

Calcule a quantia que será gasta ao longo do mês

 

Ao receber o salário todo fim de mês, é preciso saber dividi-lo de modo com que parte dele seja usado para o pagamento das contas e, o restante, ser investido e usado em opções lazer.

 

Dentre as despesas básicas mensais podemos citar:

Contas de água, luz, gás, TV a cabo e telefones fixos e móveis;

Condomínio, caso more em apartamento;

Faturas do cartão de crédito;

Supermercado;

Combustível;

E impostos, como IPTU e IPTU todo início de ano.

 

Para exemplificar melhor um planejamento financeiro considerando as contas e impostos do mês;

Vamos a um exemplo prático.

 

Considere a seguinte situação para um bom planejamento financeiro:

 

  • A renda mensal de uma família com três pessoas é de R$ 5 mil;
  • Ao longo dos trinta dias, foram gastos R$ 150 com água e luz; R$ 80 com gás; R$ 200 de telefone fixo e celular; R$ 80 de TV a cabo; R$ 900 com supermercado; R$ 100 com combustível; R$ 1.000 com faturas de cartão; e R$ 400 em uma parcela do IPTU e IPVA;
  • Nessa situação, o gasto final será de R$ 2.910. Subtraindo esse valor na quantia total, se obtém R$ 2.090 a ser usado de diversas formas;
  • Considerando que a família costuma investir 20% do total (R$ 1.000) em uma caderneta de poupança e afins, tal quantia já cai para R$ 1.090,
  • Portanto, considerando a renda como um todo e descontando os investimentos e contas, haverá R$ 1.090 para ser usado em eventuais emergências ou situações cotidianas.

 

Viu só como não é difícil fazer um planejamento financeiro?

É só saber se programar corretamente, para dificilmente faltar dinheiro na sua mão.

Guarde um pouco do salário isso é próprio do planejamento financeiro

Leia também: Investimentos em CDB

Um dos segredos para nunca faltar dinheiro no bolso em eventuais emergências é sempre guardar um pouco da renda mensal em uma aplicação a juros.

 

Poupando uma graninha todo mês, é possível a longo prazo dar entrada em um imóvel próprio;

Financiar um veículo moderno, dentre outras coisas que proporcionam uma melhor qualidade de vida.

 

Recomenda-se que o total a ser guardado mensalmente seja o equivalente a, em média, 25% do salário. Por exemplo: caso o ordenado seja de R$ 2.000, o valor a ser deixado de lado corresponde a R$ 500.

Com a inflação “trazida” para patamares próximos ao piso da meta (3%), a poupança passou a não ser uma forma de investimento atrativa;

Por isso é importante que você escolha uma forma rentável de investimento para atualizar e corrigir o seu dinheiro.

Controle os gastos com cartões de crédito

 

Cartões de crédito são um dos grandes vilões do consumismo predominante na sociedade.

Afinal, com esse pequeno pedaço de plástico é possível comprar um eletrodoméstico, por exemplo, em até 24 parcelas dependendo da situação.

 

Entretanto, uma das dicas sobre como usar esse instrumento adequadamente é fazer um controle de todas as coisas que estão sendo comprados ao longo do mês.

Assim, não há perigos para seu bolso a médio prazo.

 

Uma das dicas com relação a fatura mensal é nunca pagar apenas o mínimo;

Pois o restante do valor será acrescido de juros corridos a ponto de, após um tempo;

Se formar uma “bola de neve” interminável.

Prepare-se para o pagamento dos impostos no início do ano

Todo início de ano chega pelo correio o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano);

E o IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), que podem ser pagos a vista ou parcelados.

 

No caso do IPVA, o tributo pode ser pago em até três parcelas.

Entretanto, segundo a nova regra vigente neste ano, caso o dono do veículo não pague as prestações em dia, as mesmas se acumularão a ponto de precisarem ser pagas à vista.

 

Já sobre o IPTU, pagá-lo de uma vez só possui uma grande vantagem: 10% do valor total é descontado. Por exemplo: se o imposto veio com um valor de R$ 3 mil, à vista o mesmo será de R$ 2,7 mil.

Mas, caso não seja possível essa situação, o tributo pode ser quitado em até dez prestações ao longo do ano.

Compare os preços antes de comprar algo

Ao comprar um produto, o ideal é sempre consultar os preços em diversos lugares para saber qual é o mais vantajoso ao seu bolso.

 

Mesmo a diferença entre o valor de um produto sendo centavos, em supermercados, a lucratividade será percebida quando em grande quantidade.

 

Por exemplo: se em um produto foi economizado 50 centavos, em dez quantidades do mesmo, esse valor será de cinco reais.

Lembre-se: é nas pequenas coisas que começam o planejamento financeiro.

 

Por fim não uma dica mas um paralelo entre o sistema Alemão do:

“Use o necessário, o extraordinário é demais”;

Contra o costume brasileiro, “compre o que você quiser  afinal o necessário não tem graça.”

 

Confira também outras dicas de investimentos planejamento financeiro e economia doméstica no OverBr

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*