Home / Atualidades / Revolução industrial e o novo mercado de trabalho

Revolução industrial e o novo mercado de trabalho

O novo mercado de trabalho na 4ª revolução industrial a indústria 4.0.

revolução industrial

O futuro do mercado de trabalho estará novamente no centro das atenções do Fórum Econômico Mundial (FEM), que acontece ao longo da semana em Davos.

Segundo a instituição, o mundo perderá milhões de empregos nos próximos três anos, principalmente aqueles que estão relacionados a funções administrativas e industriais.

Só no Brasil, 15,7 milhões de trabalhadores serão afetados pela automação até 2030, segunda estimativa da consultoria McKinsey.

Independente das projeções, o que se constata é que o mercado passa por uma grande mudança, semelhante à revolu&cced il;

Revolução industrial, porém de uma forma muito mais rápida e dinâmica.

Leia também: Instituto Stefanini comemora 17 anos em 2018

Etapas da revolução industrial

 

De acordo com artigo do fundador do FEM, Klaus Schwab, publicado recentemente na “Foreign Affairs”, a 1ª revolução industrial utilizou água e vapor;

A 2ª eletricidade e a 3ª usou os eletrônicos e a tecnologia da informação para automatizar a produção na segunda metade do século XX.

O que chamamos agora de 4ª revolução industrial se caracteriza por um mix de tecnologias que elimina as barreiras entre o físico e o digital.

Numa sociedade cada vez mais conectada, a Inteligência Artificial, o aprendizado de máquina (Machine Learning);

A Internet das Coisas (IoT) e os sensores nos meios de produção (Indústria 4.0) garantem mais agilidade e eficiência.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o número de robôs industriais cresce uma média de 9% ao ano, desde 2010.

No Brasil, a Federação Internacional de Robótica prevê que 12 mil robôs industriais serão comercializados até 2020.

É natural que todas essas transformações tecnológicas causem um desconforto inicial, como também aconteceu nas revoluções anteriores.
Muitos profissionais veem na automação um risco iminente para a empregabilidade.

Com certeza, haverá mudanças significativas, que sinalizam para o fim de atividades repetitivas, que serão cada vez mais incorporadas pelas máquinas.

Por outro lado, as pessoas também terão a oportunidade de investir em outras profissões que envolvem uma capacidade analítica maior.

 

Funções a surgir

 

O estudo “Futuro do Trabalho, publicado no ano passado pelo Fórum Econômico Mundial;

Diz que quase dois terços das crianças que ingressam no ensino primário irão trabalhar em funções que ainda
não existem.

A tendência é surjam novas vagas na área de internet móvel, IoT, robótica, matemática e análise de dados.

No Brasil, ainda temos um longo caminho a percorrer;

Embora a transformação digital seja uma necessidade crescente entre empresas que buscam se reinventar.

Na era do crescimento exponencial, precisamos mostrar como a tecnologia de ponta pode ser um fator decisivo para se manter na liderança ou simplesmente desaparecer.

Em dez anos, a
estimativa é de que 40% das corporações atualmente relacionadas no índice _Fortune 500_ tenham deixado de existir.

E como o Brasil pode se preparar para este novo cenário?

Não existe apenas um caminho a trilhar, mas certamente um deles passa pela
educação e qualificação profissional.

Como iniciativa privada, nosso dever é contribuir para a formação de pessoas que poderão utilizar a
inovação como um diferencial competitivo a curto e médio prazo.

Com as novas exigências do mercado, a sobrevivência de uma empresa depende da sua capacidade de inovar e abraçar novas mudanças.

Já a geração de empregos no futuro estará diretamente relacionada à criatividade, qualificação, resiliência e capacidade de trabalhar em
equipe.

O novo mundo do trabalho é mais colaborativo e flexível.

 

Créditos: Marco Stefanini

revolução industrial

Marco Stefanini é fundador e CEO global da Stefanini

Multinacional brasileira considerada a quinta mais internacionalizada segundo Ranking da Fundação Dom Cabral (FDC).

 

Sobre a Stefanini:

A Stefanini (www.stefanini.com) é uma multinacional brasileira com 30 anos de atuação no setor de Serviços em TI.

Totalmente verticalizada por segmento de indústrias, a consultoria possui grande expertise no mercado financeiro (atende as dez maiores instituições financeiras do País), telecomunicações, seguradoras e setor público.

Presente em 39 países, sua oferta de serviços abrange Consultoria, Integração, Desenvolvimento de Soluções e Outsourcing para Aplicativos e Infraestrutura;

E ainda BPO para processos de negócios.

Reconhecida mundialmente, a Stefanini está entre as 100 maiores empresas de TI do mundo (BBC News);

E foi apontada como a quinta empresa transnacional mais internacionalizada, segundo ranking da Fundação Dom Cabral divulgado em 2016.

Acompanhe mais assuntos sobre a Stefanini no OverBr

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*