Home / Atualidades / Operação Canaã – coloca falsos profetas na Cadeia

Operação Canaã – coloca falsos profetas na Cadeia

A Operação Canaã desmonta sonho da “terra prometida” por seita para trabalhadores.

Operação Canaã

Pastor Cicero Vicente de Araújo – foragido

O número de resgatados pode chegar a 900 de acordo com estimativa da Polícia Federal.

Trabalhadores em condição análoga à de escravo foram resgatados nesta terça-feira (6) em 15 municípios de Minas Gerais, São Paulo e Bahia.

Em uma avaliação preliminar da Polícia Federal, haveria cerca de 900 pessoas trabalhando de forma irregular.

Como a ação ainda está em andamento, o número deve sofrer alteração.

Foi uma das maiores operações de resgate já realizadas no país nos últimos anos.

Pelo menos 22 pessoas foram presas.

Leia também: Carteira de Trabalho Digital como fazer – passo a passo

Batizada de Operação Canaã 

 

A Colheita Final, a ação envolveu 58 auditores-fiscais do Ministério do Trabalho integrantes do Grupo Especial de Fiscalização Móvel e das superintendências dos três estados, mais 220 policiais federais.

O grupo cumpriu 22 mandados de prisão preventiva, 17 de interdição de estabelecimento comercial e 42 de busca e apreensão.

O nome da Operação é uma referência bíblica à terra prometida, já que os trabalhadores teriam sido aliciados por dirigentes de uma seita religiosa conhecida como Comunidade Evangélica Jesus, a verdade que marca.

Eles teriam sido abordados na sede da igreja na capital paulistana, onde teriam sido convencidos a doar os bens;

Para as associações controladas pela organização e convencidos a mudar-se para uma comunidade, onde todos os bens móveis e imóveis seriam compartilhados.

Após serem induzidos, os fiéis doutrinados foram levados para zonas rurais e urbanas em Minas Gerais;

(Contagem, Caxambu, Betim, Andrelândia, Minduri, Madre de Deus, São Vicente de Minas, Pouso Alegre e Poços de Caldas);

Na Bahia (Ibotirama, Luiz Eduardo Magalhães, Wanderley e Barra) e em São Paulo (capital).

Eles trabalhavam em lavouras e em estabelecimentos comerciais como oficinas mecânicas;

Postos de gasolina, pastelarias, confecções e restaurantes, todos comandados pelos líderes da seita.

Investigação

O chefe do Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho, Maurício Krepsky Fagundes;

Explica que a operação desta terça foi resultado de uma investigação conduzida pela Polícia Federal.

Um dos itens que mais chamou à atenção dos policiais foi o crescimento do patrimônio pessoal dos líderes da seita e o aumento dos fiéis agregados nos últimos cinco anos.

“Desde 2013, tem sido feito um trabalho de inteligência para achar os locais onde os aliciados trabalhavam;

As fraudes praticadas pela organização criminosa e, principalmente, a caracterização do crime de tráfico de pessoas”;

Destaca Maurício.

O chefe da equipe de fiscalização do Ministério espera que a operação contribua para o fim das operações da seita.

As atividades comerciais de estabelecimentos pertencentes ao grupo já foram encerradas.

E os auditores-fiscais do MTb seguem ouvindo todos os trabalhadores encontrados durante a operação;

Para saber detalhes do que ocorria com cada um deles nas áreas onde foram encontradas as irregularidades.

Nos casos onde for confirmado o trabalho escravo, serão feitos os cálculos dos direitos trabalhistas;

Que deverão ser pagos pelas empresas criadas pela seita retroativamente desde a data em que os trabalhadores começaram a prestar os serviços.

Os trabalhadores também serão encaminhados ao Programa de Seguro-Desemprego para Resgatados.

Histórico da Operação Canaã

A Operação Canaã teve origem em 2013, quando ocorreu o resgate de 348 trabalhadores na União Agropecuária Novo Horizonte S.A. e em empresas urbanas.

O relatório dessa ação fiscal gerou uma ação penal do Ministério Público Federal (MPF);

Que determinou o retorno dos auditores-fiscais e dos agentes da PF aos locais investigados para averiguar a situação atual.
Na Polícia Federal, a investigação teve início quando a seita estava migrando de São Paulo para Minas Gerais.

Em 2015, foi desencadeada sua segunda fase:

“De volta para Canaã”, quando foram presos temporariamente cinco dos líderes da seita.

A deflagração desta terça-feira representa a terceira fase da operação, com a prisão preventiva de 22 líderes da seita que;

Segundo a Polícia Federal, poderão cumprir até 42 anos de prisão, se condenados.

O líder da seita, conhecido como Pastor Cícero, está foragido.

Fonte: Ministério do Trabalho Governo do Brasil.

Só para constar: “Sem ministro (a) a pasta do trabalho está trabalhando prá valer.”

About Paulo Fernandes Maciel

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*